Negócios

Chinesa Geely concorda em pagar US$1,8 bi por unidade da Ford

Gotemburgo, Suécia - O Zhejiang Geely Holding Group, maior montadora privada da China, concordou no domingo em comprar os negócios de carros da Volvo, unidade da Ford, por 1,8 bilhão de dólares, na maior aquisição privada do setor automotivo chinês no exterior. A aquisição enfatiza a chegada da China como força importante na indústria automotiva […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h38.

Gotemburgo, Suécia - O Zhejiang Geely Holding Group, maior montadora privada da China, concordou no domingo em comprar os negócios de carros da Volvo, unidade da Ford, por 1,8 bilhão de dólares, na maior aquisição privada do setor automotivo chinês no exterior.

A aquisição enfatiza a chegada da China como força importante na indústria automotiva global e põe fim a quase dois anos de negociações com a Geely sobre a Volvo.

"Hoje é um marco na história da Geely", disse o chairman da empresa, Li Shufu, em entrevista coletiva, acrescentando que a Volvo Cars continuará sendo uma companhia separada com sua própria equipe de gerenciamento baseada na Suécia.

Um acordo desse tipo seria inimaginável alguns anos atrás para a montadora chinesa, que, numa projeção de 2009, tinha receita equivalente a 16 por cento da arrecadação da Volvo e somente pouco mais da metade de sua força de trabalho.

O acordo mostra também as grandes oportunidades que surgiram da crise financeira para pequenos participantes do mercado. A pequena fabricante holandesa de carros esportivos Spyker chegou a um acordo em janeiro para comprar a montadora sueca Saab da General Motors .

A Geely informou que assegurou todo o financiamento necessário para completar o acordo, embora a companhia ainda esteja aberta a um possível empréstimo do European Investment Bank.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaChinaEmpresasEmpresas americanasFordFusões e AquisiçõesMontadorasVolvo

Mais de Negócios

Empreendedor produz 2,5 mil garrafas de vinho por ano na cidade

Após crise de R$ 5,7 bi, incorporadora PDG trabalha para restaurar confiança do cliente e do mercado

Após anúncio de parceria com Aliexpress, Magalu quer trazer mais produtos dos Estados Unidos

De entregadores a donos de fábrica: irmãos faturam R$ 3 milhões com pão de queijo mineiro

Mais na Exame