Mercados

Cobre sobe em Londres e NY após bom desempenho da China

Por volta das 9h35 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 1%, a US$ 4.605,00 por tonelada


	Cobre: por volta das 9h35 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 1%, a US$ 4.605,00 por tonelada
 (Giovanni DallOrto/Wikimedia Commons)

Cobre: por volta das 9h35 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 1%, a US$ 4.605,00 por tonelada (Giovanni DallOrto/Wikimedia Commons)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de fevereiro de 2016 às 09h00.

São Paulo - Os futuros de cobre operam em alta em Londres e Nova York, após o desempenho positivo dos mercados acionários chineses.

A Bolsa de Xangai, a principal da China, fechou o pregão desta terça-feira em alta de 2,3%, após o banco central chinês (PBoC) voltar a injetar recursos no sistema financeiro por meio de operações de mercado aberto.

A injeção de hoje foi de 100 bilhões de iuanes (US$ 15,2 bilhões).

Recentemente, o PBoC intensificou as injeções de capital, com o objetivo de prover liquidez antes do feriado do ano-novo chinês, que será ao longo da próxima semana.

A China é o maior consumidor mundial de cobre e de outros metais básicos.

Por volta das 9h35 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 1%, a US$ 4.605,00 por tonelada, após tocar uma máxima em três semanas durante a sessão, de US$ 4.628 por tonelada.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para março avançava 1,05%, a US$ 2,0770 por libra-peso, às 9h40 (de Brasília). 

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaCâmbioChinaIuaneMetaisMoedas

Mais de Mercados

Biden sai e Kamala entra? Como o turbilhão nos EUA impacta as ações americanas, segundo o BTG

Por que Mohamed El-Erian, guru de Wall Street, está otimista com o cenário econômico

Ibovespa fecha em queda de 1% pressionado por Vale (VALE3)

Balanços da Tesla e Alphabet, Kamala Harris e corte de gastos no Brasil: o que move o mercado

Mais na Exame