Logo Exame.com
Mercados

Em primeiro teste do apetite do consumidor no ano, Magalu vê venda crescer ‘dois dígitos’ 

Liquidação Fantástica, feita entre 5 e 7 de janeiro, superou desempenho na Black Friday, segundo executivos 

Magalu: Vendas cresceram dois dígitos sobre 2023 (Leandro Fonseca/Exame)
Magalu: Vendas cresceram dois dígitos sobre 2023 (Leandro Fonseca/Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

9 de janeiro de 2024 às 10:54

A direção da varejista Magazine Luiza está otimista após o primeiro teste de como deve ser o ritmo de vendas em 2024. Na data comercial que abre o ano, as vendas cresceram dois dígitos sobre 2023. Embora os números exatos da Liquidação Fantástica não sejam divulgados, a sinalização é positiva, dado que no primeiro trimestre de 2023 a companhia tinha registrado um avanço de 10% na receita. 

“Quando a Liquidação Fantástica vai bem, o ano vai bem”, diz Eduardo Galanternick, vice-presidente de Negócios da varejista. Neste começo de 2024, o desempenho consolidou o ganho de market share observado ao longo ano com a crise da Americanas.  

O número de pedidos do e-commerce entre a última sexta-feira, 5, e o domingo, 7, foi o dobro do registrado na Black Friday, diz a empresa. As vendas nas lojas físicas ficaram 8,3% maiores quando comparado à edição de 2023 do saldão de começo de ano, em que alguns produtos chegaram a ter descontos de até 80%. 

O desempenho, diz Fabricio Garcia, vice-presidente de operações, reproduz o cenário de melhoria operacional observada no terceiro e no quarto trimestres da empresa. Os números dos últimos três meses ainda não são conhecidos, mas de julho a setembro as vendas totais, que somam vendas das lojas físicas, das operações on-line e do marketplace, ficaram 4,8% maiores e somaram R$ 14,8 bilhões.  A margem bruta da empresa chegou ao seu maior patamar em seis anos: 30,4%, puxada pelo ganho em serviços.  

Embora a Liquidação Fantástica tenha sido mais relevante em volume, o foco na rentabilidade seguiu a postura da companhia na Black Friday. A favor, segundo os executivos, está o fato do evento promocional é exclusivo da varejista, o que permite ser mais “racional” em preços. Além disso, a companhia também conseguiu aumentar em 10% a comercialização de serviços, como garantia estendida e seguros, e cresceu em 6% a emissão de cartões Luiza, na comparação anual.  

O ambiente macroeconômico mais favorável, em especial com a queda da Selic, também deve ajudar o Magazine Luiza a reportar mais um ganho de margem nos números do quarto e do primeiro trimestres, já que as condições de negociação com os fornecedores melhoraram, de acordo com Garcia.  

A ação do Magazine Luiza tem refletido, no último mês, especulações sobre uma capitalização e um ajuste no passivo. Banqueiros ouvidos pelo Exame IN não veem uma oferta de ações – mas um aumento de capital privado é indicado como um caminho provável. A geração de caixa também está nos holofotes. Hoje a companhia tem R$ 8,1 bilhões em caixa e dívida bruta de R$ 7,4 bilhões, dos quais R$ 2,8 bilhões são de curto prazo, com vencimento entre 2024 e 2025. 

Hoje a ação do Magazine Luiza é negociada a R$ 2,09, uma queda de mais de 25% nos últimos 12 meses.  

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Solví e Braskem se unem em JV de gestão de resíduos de R$ 1,4 bi

Solví e Braskem se unem em JV de gestão de resíduos de R$ 1,4 bi

Negociação de fatia do Shopping Rio Sul muda de rumo e Allos sai de cena — ao menos por enquanto

Negociação de fatia do Shopping Rio Sul muda de rumo e Allos sai de cena — ao menos por enquanto