Ray Dalio diz ter criptomoedas: 'Prefiro o bitcoin aos títulos públicos'

Sócio-fundador da Bridgwater, Dalio diz que comprou bitcoin e prevê cenário favorável à criptomoeda com possível desvalorização do dólar
 (Kimberly White/Getty Images)
(Kimberly White/Getty Images)
G
Gabriel RubinsteinnPublicado em 24/05/2021 às 12:16.

Fundador da Bridgewater Associates, gestora que controla mais de 500 bilhões de reais em ativos, Ray Dalio falou nesta segunda-feira, 24, sobre as suas perspectivas para a economia global e afirmou não apenas possuir bitcoin, mas preferir a criptomoeda aos títulos públicos.

Conhecido como o maior gestor de fundo de hedge no mundo, Dalio, que já levantou dúvidas sobre o bitcoin e demonstrou ceticismo quanto à criptomoeda, parece ter mudado de opinião. Em entrevista no Consensus, evento sobre criptomoedas do site CoinDesk, afirmou: "Eu tenho um pouco de bitcoin".

Ray Dalio afirmou que o dólar deve sofrer sua maior desvalorização desde 1971 em um futuro próximo, e que a China ameaça a dominância da moeda norte-americana como moeda de reserva global. Diante deste cenário, o investidor acredita que o bitcoin, com suas propriedades semelhantes ao ouro, se torna mais atrativo como um veículo de economia. "[Em um cenário inflacionário] eu, pessoalmente, prefiro ter bitcoin do que títulos públicos", disse o lendário investidor.

Apesar de dizer que possui bitcoins e de ressaltar suas características como reserva de valor, Dalio reiterou a preocupação já demonstrada em outras oportunidades de que o crescimento do bitcoin em escala global possa fazer com que grandes economias tentem proibi-lo, como forma de evitar competição aos sistemas financeiros estatais: "O maior risco para o bitcoin é o seu sucesso".

Para o sócio-fundador da Bridgewater, as prováveis queda do dólar e ascensão do renminbi podem abrir espaço para que uma criptomoeda neutra como o bitcoin cumpra o papel que, nos séculos passados, coube ao ouro ou à prata, mas é preciso ponderar o risco de governos tentarem controlar o ativo digital, devido à ameaça que representa. "Quanto mais dinheiro vai para o bitcoin e não para o crédito, maior a ameaça aos governos”, disse. "A melhor moeda para os indivíduos não é a melhor para os governos".

Dalio também comentou sobre como, na história da humanidade, sempre houve moedas concorrentes e que, atualmente, como não é possível saber quais as vencedoras, "diversificar é o segredo", o que talvez explique o seu investimento em bitcoin.

Além disso, o investidor também falou sobre o impacto da tecnologia nas mudanças que devem ocorrer no futuro, em diferentes frentes, no mundo todo, devido aos contextos políticos e econômicos atuais: “O mundo vai mudar em um ritmo incrivelmente rápido”, disse Dalio. “Quem ganhar a corrida da tecnologia, vence tudo, econômica e militarmente. É sobre isso que serão os próximos cinco anos".

No curso "Decifrando as Criptomoedas" da EXAME Academy, Nicholas Sacchi, head de criptoativos da Exame, mergulha no universo de criptoativos, com o objetivo de desmistificar e trazer clareza sobre o funcionamento. Confira.