Acompanhe:

Conselho de Mineração: 56% da energia do bitcoin vêm de fontes renováveis

Primeiro relatório do recém-criado Conselho de Mineração de Bitcoin aponta uso elevado de energia renovável por participantes da rede, mas é algo de questionamentos

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Andriy Onufriyenko/Getty Images)

(Andriy Onufriyenko/Getty Images)

G
Gabriel Rubinsteinn

Publicado em 2 de julho de 2021 às, 12h24.

Uma pesquisa do recém-criado Conselho de Mineração de Bitcoin (BMC, na sigla em inglês), que reúne empresas que de mineraçãode bitcoin e também de outras áreas do mercado de criptomoedas, divulgou na quinta-feira, 1, os resultados do seu primeiro levantamento sobre o setor.

A pesquisa do BMC, que contou com a participação de um terço das empresas de mineração de bitcoin, revela que 67% da energia consumida pelas empresas que responderam ao questionário vêm de fontes renováveis. Com base nisso, o Conselho estima que, considerando a totalidade das empresas do setor, o consumo de energia limpa seja de 56%.

Segundo o BMC, o valor é superior à proporção de energia renovável usada por quase todas as grandes economias mundiais, citando como exemplos a Alemanha (48,9%), os EUA (30,5%), a Coreia do Sul (30%), o Canadá (22,7%), o Brasil (21,4%), a Rússia (18,9%), o Japão (18%), a China (14,4%), a Índia (11,6%) e o Irã (2,2%).

O estudo também mostra que a média global de utilização de energia sustentável é de 20,7%. Para o BMC, energia sustentável é aquela com "geração hídrica, eólica, solar, nuclear e geotérmica", mas também aquelas que utilizam combustíveis fósseis mas compensam o impacto com créditos de carbono.

No levantamento, o BMC, criado com o objetivo de fornecer dados transparentes e verificáveis ​​sobre o uso de energia renovável na indústria de bitcoin também tenta provar que o consumo da rede é mais baixo do que as pessoas imaginam. Para isso, o estudo mostra que a produção global de energia é de 162.194 TWh, dos 50.000 TWh são desperdiçados por ineficiência dos sistemas de distribuição, e que a rede Bitcoin consome apenas 189 TWh, equivalente a 0,1% do total de energia produzida e 0,4% do total de energia desperdiçada.

Apesar dos dados positivos, a metodologia do levantamento é questionável, já que se baseia em respostas voluntárias e auto-relatadas das próprias empresas, e contou com a participação de apenas 32% das companhias responsáveis pelo poder computacional da rede Bitcoin.

Por causa disso, é bastante improvável que este primeiro relatório tenha algum efeito prático sobre o mercado de criptoativos - por exemplo, demovendo Elon Musk e a Tesla da ideia de não receber em bitcoin por causa do suposto impacto ambiental da criptomoeda.

Últimas Notícias

Ver mais
Trump anuncia NFTs colecionáveis de si mesmo
Criptoativos

Trump anuncia NFTs colecionáveis de si mesmo

Há um ano

Criptomoedas: o que muda com a regulamentação das moedas virtuais aprovada pelo Congresso
Criptoativos

Criptomoedas: o que muda com a regulamentação das moedas virtuais aprovada pelo Congresso

Há um ano

Estado de Nova York proíbe 'mineração' de criptomoedas; entenda
Criptoativos

Estado de Nova York proíbe 'mineração' de criptomoedas; entenda

Há um ano

Mineradores de Bitcoin serão desligados da rede em caso de crise energética, diz União Europeia
Criptoativos

Mineradores de Bitcoin serão desligados da rede em caso de crise energética, diz União Europeia

Há um ano

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais