Bitcoin Pizza Day: a história da refeição mais cara de todos os tempos

Primeiro pagamento com bitcoin teve pizza de quase R$1 bilhão e virou data comemorativa para entusiastas da criptomoeda; empresas fazem promoções comemorativas
 (Divulgação/Divulgação)
(Divulgação/Divulgação)
L
Lucas Josa

Publicado em 22/05/2021 às 09:00.

Última atualização em 24/05/2021 às 12:24.

Há exatamente 11 anos, Laszlo Hanycez registrou o seu nome para sempre na história do bitcoin ao realizar a primeira transação de compra de um produto utilizando a criptomoeda, adquirindo duas pizzas da rede de pizzarias dos EUA Papa John’s por 10 mil bitcoins, que hoje equivalem a mais de 350 milhões de dólares - ou mais de 1,75 bilhão de reais. A data virou motivo de comemoração para os entusiastas do criptoativo, joje chamado de "Bitcoin Pizza Day".

A história por trás de um dos momentos mais emblemáticos na história do bitcoin teve início no dia 18 de maio, quando Laszlo Hanyecz realizou uma publicação no fórum de discussão Bitcointalk, propondo a compra de duas pizzas grandes por 10 mil bitcoins.

Em sua proposta, Laszlo não fez nenhuma exigência em relação à origem das pizzas, deixando claro que qualquer pessoa que se interessasse por seu pedido, poderia fazer as pizzas e ser paga por elas, desde que o vendedor atendesse suas especificações de ingredientes, realizasse a entrega em sua residência e aceitasse bitcoin como forma de pagamento.

“Eu vou pagar 10 mil bitcoins por duas pizzas, tipo duas grandes, de forma que sobre algo para o dia seguinte. Eu gosto de ter pizza sobrando para mordiscar depois. Você mesmo pode fazer a pizza e trazer até a minha casa, ou comprar de um lugar e pedir a entrega, mas o que eu quero é comprar comida em troca de bitcoins, assim eu não tenho que pedir ou preparar. É tipo pedir uma bandeja de café da manhã em um hotel ou algo do tipo, eles levam algo para comer e você fica feliz!

Eu gosto de coisas tipo cebola, pimenta, linguiça, cogumelo, tomate, pepperoni, etc… Coisa padrão, sem coisas esquisitas tipo peixe ou algo do tipo. Eu também gosto de pizzas comuns de queijo, que podem ser mais baratas de preparar ou comprar.

Se você estiver interessado, me avise e nós podemos fechar um acordo. Grato, Laszlo”

Com sua publicação, Laszlo recebeu uma série de respostas. Alguns interessados não podiam realizar a entrega ou até mesmo pedir as pizzas por não residirem nos EUA, outras achavam que ele não deveria trocar seus bitcoins por duas pizzas e algumas acreditavam que o valor era muito baixo para duas pizzas. Entretanto, no dia 22 de maio de 2010, Hanyecz publicou uma atualização em seu tópico, divulgando as fotos de duas pizzas e informando que sua solicitação havia sido atendida.

Ao longo dos anos, o bitcoin e o ecossistema de criptoativos evoluíram e as pessoas foram atribuindo um valor cada vez maior para a criptomoeda, que passou a ser vista como uma alternativa às reservas de valor existentes. Desde então, com a valorização exponencial ao longo dos anos, anualmente, entusiastas das criptomoedas comemoram o Bitcoin Pizza Day no dia 22 de maio como uma forma de homenagear a transação realizada por Laszlo Hanyecz, que foi responsável pela compra das pizzas mais caras da história.

Na data em que a transação foi realizada, os 10 mil bitcoins totalizavam aproximadamente 41 dólares. Hoje, exatamente 11 anos após a compra de Laszlo, na cotação atual da criptomoeda, o pedido equivale a um valor próximo de 355 milhões de dólares.

A comemoração da data no Brasil: bitcoin de brinde e a ressignificação do Pizza Day

 

A fim de comemorar a data e aumentar o engajamento da população brasileira com os criptoativos, a Foxbit, uma das corretoras de criptomoedas mais conhecidas do Brasil, anunciou uma parceria com uma franquia de restaurantes, a Pizza Crek, para oferecer um combo exclusivo em comemoração à emblemática transação, que além das pizzas, dará aos compradores 20 reais em bitcoin.

O combo chamado de Foxbit é composto por 2 pizzas, um refrigerante de 350ml e o montante em bitcoin, custará 30 reais e será limitado aos 10 mil primeiros CPFs cadastrados na plataforma promocional, sem a necessidade de ter uma conta na corretora. Para a Foxbit, o Pizza Day representa uma verdadeira revolução para as transações financeiras e, por conta disso, além da refeição, a corretora irá dar um montante em bitcoin para que os consumidores tenham acesso e conheçam um pouco mais sobre o criptoativo.

“O Pizza Day é um dia muito importante para a comunidade cripto. Mas queremos ir além, queremos que todos tenham acesso ao bitcoin e conheçam um pouco mais desse ativo. A parceria com a Pizza Crek é fundamental para que isso aconteça. Vamos unir o melhor dos dois mundos: pizza e bitcoin”, resume João Canhada, CEO da Foxbit.

Em uma perspectiva diferente, a Binance, a maior corretora de criptoativos do mundo, em parceria com a ONG SP Invisível e a Santa Casa, optou por ressignificar o dia, desenvolvendo uma ação para beneficiar moradores de rua e profissionais que atuam na linha de frente contra o COVID-19.

Tendo em vista o molde severo imposto pelos impactos da pandemia do COVID-19 no Brasil, a Binance optou por uma comemoração diferente, oferecendo 350 pizzas para moradores de rua e profissionais da Santa casa de São Paulo, impactando a vida de cerca de 1000 pessoas.

Além das pizzas, a Binance Charity, braço de responsabilidade social da Binance, doará aproximadamente 5 mil dólares à Santa Casa para a compra de equipamentos de proteção individual de enfermagem, como máscaras para proteger os profissionais de saúde contra o COVID-19. Essa é a segunda doação da corretora à Santa Casa, a primeira ocorreu em julho de 2020 e foi composta por 15 mil máscaras cirúrgicas. Para os moradores de rua atendidos pela ONG SP Invisível, a Binance disponibilizou uma série de cobertores para que essas pessoas pudessem se proteger das baixas temperaturas durante o inverno.

“O Bitcoin Pizza Day é uma data importante para a comunidade cripto. Quisemos ampliar esse espírito comunitário atrelando-os aos propósitos da Binance, de utilizar a tecnologia blockchain e as criptomoedas para gerar impacto social, ajudando quem necessita. Também incluímos profissionais de saúde da linha de frente do combate à pandemia como forma de homenagem e agradecimento. Sabemos como eles estão se doando para salvar vidas”, explicou Ricardo Da Ros, diretor da Binance no Brasil.

No curso "Decifrando as Criptomoedas" da EXAME Academy, Nicholas Sacchi, head de criptoativos da Exame, mergulha no universo de criptoativos, com o objetivo de desmistificar e trazer clareza sobre o funcionamento. Confira.