Petz: IPO sai no meio da faixa de preço e indica pressão por desconto

Apesar de a empresa estar em ramo inédito na bolsa e cobiçado pelos investidores, múltiplos foram considerados altos

O preço da ação no IPO da cobiçada Petz, rede de varejo de produtos para animais de estimação, já foi definido. Para surpresa geral, ficou no meio do intervalo sugerido: em 13,75 reais por ação. O piso era 12,25 reais e o teto, 15,25 reais por ação. Com isso, a oferta ficou em 2,69 bilhões de reais, considerando o lote extra. A venda é coordenada pelo Itaú BBA, e o sindicato de bancos inclui ainda Santander, Bank of America, J.P. Morgan e BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da EXAME).

Apesar do grande interesse pela companhia — a primeira do ramo na bolsa —, os investidores acharam os múltiplos da transação salgados. Já no preço intermediário, o valor da empresa na estreia equivale a 55 vezes o lucro estimado para 2021. De janeiro a junho deste ano, a rede teve lucro líquido de 22 milhões de reais. Por esse valor da ação, a Petz chegará ao pregão avaliada em pouco mais de 5,1 bilhões de reais. Mesmo considerado caro desde a largada, o negócio chamou a atenção de diversos investidores.

A oferta é predominantemente secundária, com a maior parte das vendas pelo fundo de private equity Warburg Pimcus, que entrou no negócio em 2013 e detinha atualmente 55% do capital, antes da oferta de ações. O fundador Sérgio Zimerman também vendeu uma parte dos papéis que possui, mas ficou ainda com 35% da companhia.

A operação marca a retomada da prevalência econômica de Zimerman no negócio, ao fim do ciclo de investimento do fundo de participações. A fatia do Warburg, que impulsionou a companhia nos últimos anos, caiu para 12%. Portanto, nesse preço, o fundo obteve 2 bilhões de reais. Quando a gestora iniciou sua aposta no negócio, a Petz tinha apenas sete lojas e ainda se chamava Pet Center Marginal.

A Petz, que agora opera uma rede com 110 lojas, ficará com pouco menos de 340 milhões de reais para o caixa, fruto da parcela primária da oferta — valor muito semelhante ao embolsado pelo fundador em sua parcela secundária. A maior parte dos recursos novos no caixa, cerca de 85%, será destinada para aberturas de  lojas e o restante, para tecnologia. Nos primeiros seis meses deste ano, a empresa teve receita líquida de 617 milhões de reais, com crescimento de 36% sobre igual período do ano passado.

Com a fila de operações na Comissão de Valores Mobiliárias (CVM) acumulando 51 companhias, os investidores estão mais seletivos e exigentes. Até mesmo porque, apesar da grande liquidez do mercado, os recursos não são infinitos. Os dois últimos IPOs realizados, a companhia de construção e incorporação imobiliária Lavvi, que tem a Cyrela como sócia, e a rede de farmácias Pague Menos tiveram de vender suas ações abaixo do piso da faixa de preço sugerida.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.