Mbappé se envolve em mais uma polêmica na França: quais os danos de imagem do craque no mundo?

Acostumado com gols, atacante do Paris acumula mais uma crise na seleção francesa
Kylian Mbappé se envolveu em mais uma crise nesta semana. (Michael Regan/Getty Images)
Kylian Mbappé se envolveu em mais uma crise nesta semana. (Michael Regan/Getty Images)
D
Da RedaçãoPublicado em 22/09/2022 às 16:35.

Kylian Mbappé se envolveu em mais uma crise nesta semana. Em meio a uma importante partida da seleção francesa contra a Áustria, pela Liga das Nações da Europa, que acontece nesta quinta-feira (22), o atacante fez um duro questionamento em relação ao contrato dos direitos de imagem dos atletas de seu país.

Tudo começou quando agentes do jogador enviaram uma carta à agência de notícias AFP, com a seguinte nota: “Mbappé decidiu não participar da sessão de fotos depois que a federação francesa se recusou a alterar o acordo de direitos de imagem com os jogadores. Obviamente, isso não coloca em questão o seu comprometimento e determinação em contribuir para o sucesso coletivo da seleção nacional nos eventos importantes que virão”.

Esse posicionamento não é novidade, já que em março deste ano ele também havia se recusado a participar de uma sessão de fotos em evento realizado com patrocinadores da seleção francesa.

Mbappé esclarece que a revisão nas cláusulas dos direitos de imagem tem a ver com o fato da Federação Francesa de Futebol (FFF) 'explorar de maneira desigual' a imagem individual de cada atleta. Segundo ele, cada profissional deveria ter o poder de escolher sobre quais marcas quer usar.

Um exemplo dado pelo seu staff é que ele não quer estar relacionado a empresas de casas de apostas e fast food, por exemplo, que estão entre os patrocinadores da seleção da França.

“Se, por um lado, o gesto do Mbappé parece um ato de rebeldia, por outro pode ser um paradigma na relação entre atletas e federações, pois exige uma maior transparência tanto na escolha dos parceiros comerciais quanto dos profissionais envolvidos. No entanto, o tema não é novo, apesar de não ser muito comum: Cruyff fez isso quando se negou a usar a roupa da patrocinadora da seleção holandesa na época, e era o único a usar camisa e calção com apenas duas listras", esclarece Flávio Ordoque, advogado, diretor jurídico na Biolchi Empresarial e professor de pós-graduação em Direito e Processo do Trabalho.

Responsável por cuidar dos contratos de patrocínio e gerenciamento da carreira do atacante Endrick, promessa de apenas 16 anos do Palmeiras e pretendido por clubes do mundo todo, o especialista Fábio Wolff entende que o peso que o jogador carrega em suas atitudes precisa ser repensada.

"Gols e títulos são sempre importantes, mas as atitudes e decisões tomadas por jogadores do porte dele, de representatividade mundial, precisam de orientação, pois podem prejudicar a imagem no que diz respeito a empatia dos fãs e principalmente em questões comerciais", explica.

Já Renê Salviano, CEO da agência Heatmap, especialista em marketing esportivo, e ex-agente FIFA, com participação em transferências internacionais de atletas, figuras públicas precisam ter cuidado redobrado com a imagem.

"Os danos podem ser irremediáveis, por isso que investir num staff preparado para orientar o atleta desde a base precisa ser visto como investimento. A construção de imagem dentro e fora de campo é constante, por mais que o jogador já tenha envergadura, por exemplo, de se comunicar por meio de suas redes sociais. Ainda assim, é necessário ter uma equipe que o auxilie", aponta.

Em agosto deste ano, uma outra polêmica rendeu destaque nos jornais de todo o mundo envolvendo ele e outros dois craques do Paris: Neymar e Messi.

Na goleada por 5 a 2 sobre o Montpellier, pela Ligue 1, após o francês desperdiçar uma penalidade, Neymar assumiu a segunda cobrança, o que gerou reclamações do companheiro de ataque. Depois, após não receber um passe do meia Vitinha, Mbappé reclamou e desistiu da jogada. Os vídeos viralizaram nas redes sociais, com muitas críticas direcionadas ao atacante.

Também na partida diante do Montpellier, Mbappé trombou com o ombro em Messi e seguiu sem pedir desculpas, deixando o camisa 30 do PSG visivelmente incomodado.

Alguns meses antes, em junho, o jornal Mundo Deportivo, da Espanha, revelou que Mbappé, para renovar seu contrato com o PSG, teria pedido as saídas do companheiro Neymar, do técnico Mauricio Pochettino e do diretor esportivo Leonardo.

Na ocasião, o jogador foi até as redes sociais e disse que a informação do periódico espanhol era 'fake', porém, dois dos nomes citados na reportagem acabaram sendo demitidos, casos de Pochettino, em julho, e Leonardo, em meados de junho, alguns dias após a publicação da notícia.

Apesar de ter vencido apenas a Ligue 1 na última temporada, considerado muito pouco diante de todo o investimento do Paris, as polêmicas parecem não ter afetado o rendimento do craque dentro de campo. Na temporada 21/22, foram 39 gols em 46 partidas, e nesta atual de 22/23, balançou às redes 10 vezes em 9 jogos.

“A postura dentro de campo afeta a reputação dos atletas, mas entendo que a imagem deles não é muito danificada quando entregam resultados esportivos”, analisa Armênio Neto, especialista em negócios no esporte e que também atua na intermediação entre marcas, clubes e jogadores.

LEIA TAMBÉM:

Futebol hoje: confira os jogos de quinta-feira, 22; onde assistir ao vivo e horários

Com calendário cheio, eliminação nas Copas ajuda clubes no Brasileirão