ESG

Reflorestamento e uso de dados: como a Salesforce quer ajudar no sequestro de carbono no Brasil

Fabio Costa, CEO da companhia, falou à EXAME sobre as metas da companhia, que lançou uma iniciativa para plantar ou conservar 1 trilhão de árvores no mundo até 2030 e, no Brasil, se uniu à Natura em um programa para financiar a bioeconomia

Fabio Costa, CEO da Salesforce Brasil (Marcelo Justo/Reprodução)

Fabio Costa, CEO da Salesforce Brasil (Marcelo Justo/Reprodução)

Marina Filippe
Marina Filippe

Repórter de ESG

Publicado em 2 de fevereiro de 2024 às 08h06.

Última atualização em 2 de fevereiro de 2024 às 12h06.

A empresa de softwares Salesforce entende que precisa ampliar o retorno positivo à sociedade, mesmo já tendo programas de impacto social enraizados na cultura da empresa -- como o modelo de filantropia iniciado em 1999 e conhecido como 1/1/1, pelo qual é doado 1% do tempo dos funcionários, 1% dos produtos e serviços e 1% do capital próprio.

Em parceria com o Fórum Econômico Mundial, a empresa lançou em janeiro de 2020 a iniciativa One Trillion Trees, com o objetivo de plantar ou conservar um trilhão de árvores no mundo até 2030. A companhia também criou o Earthforce, um grupo para que os funcionários pudessem direcionar seus esforços para questões ambientais. 

Entre os objetivos das ações de sustentabilidade estavam o de alcançar a neutralidade de carbono nas operações até 2025 e usar 100% de energia renovável até 2030, ambos já realizados antes do previsto. Para Fabio Costa, CEO da Salesforce no Brasil, o alcance da meta depende das ações internas, e também do poder da companhia em engajar parceiros, incluindo os governos do países nos quais a Salesforce atua. Assim, na última segunda-feira, o CEO participou do evento Fomentando o Financiamento e a Colaboração para a Restauração da Natureza Brasileira, organizado em parceria com a Natura e o Word Resources Institute no Brasil (WRI Brasil), think tank focado em estudos ambientais.

Na ocasião, empresários e representantes do governo, como a ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, discutiram como acelerar as práticas de proteção das florestas, reduzir o desmatamento, e aumentar as áreas preservadas no país. Em seguida, Costa falou à EXAME. 

Por que a Salesforce está na organização de um evento sobre florestas?

A Salesforce é uma empresa que tem clareza no poder de da transformação social e política dos seus negócios. Temos como valores a confiança, o sucesso dos nosso clientes e as questões de igualdade e inovação para orientar o modo como trabalhamos com tecnologia.

Especificamente em florestas, o que estamos buscando é comunicar mais os clientes, pensando que temos nessa cartela empresas de todos os tamanhos e localidades, sobre a importância da preservação ambiental. temas do meio ambiente. O mundo se sensibilizou com o tema, mesmo que pela dor ao sentir as consequências das mudanças climáticas, e agora não há mais dúvidas sobre os impactos do aquecimento global.

Neste cenário, é hora das empresas se organizarem para ações como de reflorestamento. Por isto, o CEO global da Salesforce, Marc Benioff, anunciou a iniciativa One Trillion Trees, com o objetivo de plantar ou conservar um trilhão de árvores no mundo até 2030.

Também estamos buscando juntar empresas para abordar esse tema e buscar aprimoramentos na questão legislativa. Pois, se não tratarmos da forma correta as questões ambientais, todos os negócios são prejudicados. Existe um interesse comum na pauta uma vez que, por exemplo, um dólar em reflorestamento pode gerar 30 dólares na economia local. Essa é uma forma de beneficiar todos os setores da sociedade.

Como a Salesforce faz o engajamento entre empresas e o setor público?

O primeiro passo foi hoje, neste evento com o ministério, as ONGs e empresas. Outra forma de ampliar o tema é por meio do nosso programa de voluntariado 1-1-1, isto é cerca de uma semana por ano em que cada funcionário é voluntário de uma ação, além do recurso financeiro que doamos. O que estamos fazendo agora é incentivar que mais ações voltadas ao meio ambiente sejam adotadas. Claro, não vamos forçar ou deixar de apoiar ações voltadas para outros temas como educação e alimentação, mas estamos reforça a urgência de mudanças para o meio ambiente.

O que a Salesforce faz para reduzir o impacto ambiental?

Tem ações como o reflorestamento, já comentado, que excelente para o sequestro de carbono, mas também o cuidado com gestão de resíduos, economia circular e outras frentes. Neste ponto, para dentro de casa e para os clientes há o software NetZero Cloud, que ajuda as empresas na gestão das emissões de carbono, uso da água, entre outros.

O Brasil tem a chance de ser responsável por 15% do sequestro de carbono global, mas hoje estamos em 1%. Para chegarmos aos 15%, queremos ajudar com mobilzação e gestão de dados para empresas, organanizações e governos. Com o software, durante a pandemia da covid-19, a Salesforce ajudou o estado de São Paulo a controlar a transmissão da doença por meio dos registros dos sintomar em 101 municípios. Agora, podemos fazer algo semelhante em relação às florestas.

Acompanhe tudo sobre:SalesforceFlorestasReflorestamentoSustentabilidade

Mais de ESG

Summit ESG: diversidade ainda exclui os 50+

Summit ESG: como incorporar a diversidade e a inclusão nos negócios

Mulheres na tecnologia e o papel corporativo na equidade de oportunidades

Summit ESG: inclusão produtiva nas favelas como chave para desenvolvimento socioeconômico do país

Mais na Exame