Por que colocar crianças e adolescentes no centro do orçamento público e investimento social privado

No Brasil, ao menos 32 milhões de meninas e meninos (63% do total) vivem na pobreza, em suas múltiplas dimensões: renda, educação, trabalho infantil, moradia, água, saneamento e informação

UNICEF traz um alerta: é urgente colocar crianças e adolescentes no centro do orçamento público nacional (Alistair Berg/Getty Images)
UNICEF traz um alerta: é urgente colocar crianças e adolescentes no centro do orçamento público nacional (Alistair Berg/Getty Images)
Unicef
Unicef

Colunista

Publicado em 1 de março de 2024 às 10h24.

Por Liliana Chopitea*

Para garantir uma vida digna a crianças e adolescentes, é preciso tê-los como foco no planejamento e implementação de políticas sociais e no orçamento público do País. A pobreza na infância e na adolescência vai além da renda. No Brasil, ao menos 32 milhões de meninas e meninos (63% do total) vivem na pobreza, em suas múltiplas dimensões: renda, educação, trabalho infantil, moradia, água, saneamento e informação. Para cada uma dessas dimensões, é preciso investimento. Por isso, o UNICEF traz um alerta: é urgente colocar crianças e adolescentes no centro do orçamento público nacional. E é importante, também, que meninas e meninos sejam prioridade no investimento social privado.

Não ter uma renda familiar que dê conta de suas necessidades básicas, estar fora da escola, viver em moradias precárias, não ter acesso a água e saneamento, não ter uma alimentação adequada, estar em trabalho infantil e não ter acesso à informação são algumas das privações que impactam a vida de milhões de crianças e adolescentes no País.

Se a realidade é multidimensional, é imperativo que os governos priorizem investimentos em políticas sociais voltadas para o bem-estar de crianças, adolescentes e suas famílias. Essas políticas têm o potencial não apenas de mitigar os efeitos adversos da pobreza e da vulnerabilidade, mas também de promover o desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens, garantindo-lhes um presente e futuro mais promissor.

Crianças e adolescentes no orçamento público

A boa notícia é que o País está caminhando na direção correta. A Secretaria Nacional de Planejamento, do Ministério do Planejamento e Orçamento (MPO), em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), elaborou a “Agenda transversal Crianças e Adolescentes PPA 2024-27”. Ela contribui para colocar meninas e meninos como prioridade no Plano Plurianual (PPA) 2024-2027 –  documento que projeta e esquematiza as políticas públicas do País. Com crianças e adolescentes representados desde a fase de planejamento, o Brasil dá um importante passo para garantir que eles serão os mais beneficiados na implementação dessas políticas – atendendo ao princípio de prioridade absoluta deles na Constituição brasileira.

Diversos órgãos do Executivo Federal já assumiram compromissos relacionados com as agendas transversais. Na agenda de crianças e adolescentes, 41 dos 88 programas do Plano Plurianual 2024-2027 possuem um programa, objetivo específico, entrega ou medida institucional e normativa que se refere a essa temática.

Crianças e adolescentes nas políticas públicas

Além de colocar crianças e adolescentes dentro do planejamento e, consequentemente, no orçamento, é preciso que esses planos sejam, efetivamente, implementados. Para tanto, é preciso fortalecer e ampliar a oferta de serviços e benefícios voltados a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. Isso inclui, entre outros pontos, a expansão de programas de assistência social por meio do fortalecimento do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) nos municípios e do Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente, assegurando que os direitos fundamentais desses grupos sejam protegidos e promovidos de forma efetiva.

Também é fundamental que órgãos oficiais do Estado meçam e monitorem as diferentes dimensões da pobreza e suas privações. Isso permitirá uma compreensão mais ampla e precisa das condições de vida das crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade, subsidiando a formulação de políticas mais eficazes e focalizadas.

Além disso, é importante que mecanismos destinados a identificar precocemente as famílias vulneráveis a violências sejam aperfeiçoados e, quando inexistentes, sejam criados. Isso inclui temas urgentes, como o trabalho infantil, e envolve articulação sistemática com serviços específicos, como os equipamentos da Assistência Social, escolas e Unidades Básicas de Saúde (UBS). Somente através de uma abordagem integrada, com fluxos intersetoriais em bom funcionamento, será possível prevenir e combater efetivamente essas violações de direitos.

Por fim, além de garantir benefícios diretos para as crianças, é crucial fortalecer a proteção social para mães, pais e cuidadores. Isso inclui o acesso a trabalho decente e benefícios adequados, como seguro-desemprego, auxílio-doença, licença-maternidade, benefícios por invalidez e pensões. Essas medidas são essenciais para garantir que as famílias tenham as condições necessárias para criar filhas e filhos de maneira saudável e segura. Nesse caminho, o governo federal está dando os primeiros passos para cuidar de quem cuida com a criação de uma política nacional cuidados.

Parceria público-privada

Dentro desse contexto complexo e multidimensional, o setor privado tem um papel importante, complementar ao do Estado. Ao priorizar crianças e adolescentes em seus projetos de investimento social privado –  em colaboração com governos e sociedade civil – o setor privado é um aliado potente para criar condições e ambientes propícios para que crianças e adolescentes cresçam saudáveis e se desenvolvam.

Além do investimento social direto, o setor privado tem o poder de se colocar como aliado na priorização de investimentos públicos para crianças, adolescentes e famílias. Isso inclui acompanhar e cobrar a efetivação do PPA, contribuindo para que sua implementação conte com recursos suficientes para políticas voltadas à infância e adolescência. Inclui também fazer incidência para que o Executivo e o Legislativo pautem programas e projetos que beneficiem crianças, adolescentes e famílias, em especial aquelas em situação de vulnerabilidade. E inclui reagir contra retrocessos na garantia dos direitos de crianças e adolescentes.

Cabe ao setor privado, também, garantir e promover, dentro de cada empresa, políticas voltadas aos direitos de crianças e adolescentes, como ações voltadas a parentalidade, garantir condições de trabalho e bem-estar de mães, pais e cuidadores, oferta de oportunidades de aprendizagem e trabalho decente a adolescentes e jovens, entre outras.

Todos esses esforços, em conjunto, contribuem para alcançar amplos retornos à sociedade no curto e longo prazo. Sabemos que o Brasil está diante de um desafio imenso, mas iniciativas como a “Agenda transversal Crianças e Adolescentes PPA 2024-27”, aliadas aos esforços do setor privado e da sociedade civil, nos mostram que é possível colocar as crianças e adolescentes no centro das políticas públicas e do investimento social privado. Alcançar a plena proteção dos direitos das crianças exige um compromisso coletivo e é fundamental uma ação coordenada por parte dos governos, organizações da sociedade civil e setor privado.

*Chefe de Políticas Sociais, Monitoramento e Avaliação do UNICEF no Brasil

Acompanhe tudo sobre:CriançasDireitos Humanos

Mais de ESG

Trabalhadores enfrentam riscos de saúde provocados pela mudança climática

Brasil não trata meio ambiente com seriedade, diz promotor

Assaí busca fortalecer negócios locais com prêmio para pequenos empreendedores, incluindo informais

Transição energética exigirá US$ 4 trilhões por ano até a próxima década, estima BlackRock

Mais na Exame