Na Dasa, a pandemia da covid-19 acelerou as práticas ESG

“Fomos a primeira instituição a apontar o surgimento de algumas variantes da covid-19 no país”, diz Sergio Ricardo, vice-presidente de estratégia, jurídico e ESG da Dasa. Com um investimento de 5 milhões de reais, a Dasa fez o mapeamento de 30.000 genomas
 (Lia Lubambo/Exame)
(Lia Lubambo/Exame)
M
Marina Filippe

Publicado em 23/06/2022 às 20:51.

Última atualização em 28/06/2022 às 14:02.

Desde um profundo estudo de revisão de propósito, iniciado em 2017, a rede de saúde integrada Dasa reuniu objetivos e indicadores bastante ligados ao ESG. Dessa forma, há resultados recentes, como a compra de energia renovável no mercado livre, com 63 unidades já operando com energia limpa, o que corresponde ao consumo mensal de 7,304 megawatts.

Ou ainda a entrega das 17 usinas de geração distribuída previstas para 2023, que juntas devem atender 385 unidades de diagnóstico da Dasa. Mesmo durante a pandemia, foram percebidas oportunidades.

Receba gratuitamente a newsletter da EXAME sobre ESG. Inscreva-se aqui

Um exemplo foi a mudança para aventais não descartáveis com uma tecnologia que aponta quando é a hora de fazer a lavagem, além de mostrar a segurança do item para menor infecção de profissionais e pacientes. Em dois anos foram 1,9 milhão de aventais descartáveis economizados, o que também representa a redução de 95.500 sacos de lixo de 100 litros de resíduos infectantes que iriam para tratamento e depois para o aterro sanitário.

“Fomos a primeira instituição a apontar o surgimento de algumas variantes da covid-19 no país”, diz Sergio Ricardo, vice-presidente de estratégia, jurídico e ESG da Dasa. Com um investimento de 5 milhões de reais, a Dasa fez o mapeamento de 30.000 genomas.

Para os funcionários, a Dasa ampliou o Programa Dasa Cuida para o bem-estar físico e mental da rede e de suas famílias por meio de um conjunto de ações baseadas em cinco pilares: espiritual, físico, intelectual, relacional e emocional.

Além disso, a companhia reforçou os programas de diversidade e inclusão e mapeou um quadro de funcionários 78% formado por mulheres; 50%, pretos e pardos; 9%, LGBTI+; 8%, pessoas com 50 anos ou mais; e 2%, pessoas com deficiência.