Acompanhe:

Homens, especialmente os CEOs, precisam ser aliados das mulheres para haver equidade de gênero

Como os homens podem ajudar na busca por equidade? Primeiro, devem perceber o problema. Debate na ONU, promovido pelo Pacto Global, discute a questão

Modo escuro

Continua após a publicidade
Joven escreve na calçada em frente ao prédio da ONU, em Nova York, onde acontece a reunião anual da CSW (ONU Mulheres/Divulgação)

Joven escreve na calçada em frente ao prédio da ONU, em Nova York, onde acontece a reunião anual da CSW (ONU Mulheres/Divulgação)

De Nova York

Durante a 67ª Commission on the Status of Women (CSW), o Pacto Global, iniciativa das Organização Nações Unidas (ONU) para engajar o setor privado nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, organizou uma roda de conversa com membros e convidados de diferentes países. Na primeira parte do evento, Cynthia Muffuh, head de direitos humanos e gênero do Pacto Global fez uma breve introdução sobre a necessidade de se alcançar a equidade de gênero, algo estimado para, em média, cem anos se nada diferente for feito.

"Ter os homens como aliados é parte importante do avanço. Esse é o começo da jornada que precisamos acelerar com a ciência de que os CEOs e outros líderes façam sua parte e acompanhem de perto as ações para a equidade de gênero", afirma Muffuh.

Em seguida, Michael Kaufman, ativista e educador sobre equidade de gênero, em especial, a partir de como envolver homens e meninos nesta jornada, realizou um workshop no qual os participantes foram convidados a compartilhar suas visões, a partir das diferentes experiências nos países.

Cynthia Muffuh: "Ter os homens como aliados é parte importante do avanço. Esse é o começo da jornada que precisamos acelerar com a ciência de que os CEOs e outros líderes façam sua parte e acompanhem de perto as ações para a equidade de gênero" (Pacto Global da ONU/Divulgação)

Para sensibilizar os participantes, Kaufman compartilhou dados de pesquisas que mostram, por exemplo, como 77% dos homens acham que há equidade de gênero, enquanto apenas 41% das mulheres concordam. Além disto, 89% dos homens acham que o assédio não acontece no local em que eles trabalham, enquanto 58% das mulheres concordam.

Nas rodas de conversa entre os participantes, foram abordados temas como a responsabilidade dos homens para que haja equidade de gênero; o modo como eles podem participar da conversa sem se sentirem ameaçados pela perda do espaço que ocupam na sociedade e nas companhias; a necessidade de políticas públicas inclusivas e mais.

Como o homem pode ser um aliado das mulheres na busca pela equidade de gênero

Kaufman compartilhou algumas ideias de como os homens devem agir para contribuir com a mudança. A primeira ação individual é escutar a demanda das mulheres sem reagir negativamente ao que for dito. Em seguida, é preciso humildade.

"Parte da criação dos homens é para estar no comando e sempre se mostrar confiante. Mudar esse papel não é simples, mas é necessário ser humilde para permitir que as mulheres cresçam e sejam respeitadas em diferentes setores da sociedade"Michael Kaufman, ativista e educador sobre equidade de gênero

O especialista apresentou ainda outros pontos como empatia e necessidade de se entender os vieses inconscientes. “Gênero também é sobre os homens e estamos falando sobre a diferença do tratamento entre as pessoas por conta do gênero, uma ideia construída socialmente do que é ser homem e o que ser mulher. Da mesma forma que aprendemos um novo idioma, precisamos estar aptos a aprender novas formas de viver que permita a equidade”, afirma.

Para ele, um dos desafios é desconstruir a visão de masculinidade que leva os homens a comportamentos nocivos. “O abuso de álcool e drogas, por exemplo, está ligado também a ideia de masculinidade, daquele que precisa esconder os sentimentos e demonstrar alguma forma de valentia”, afirma.

O homem aliado deve entender a necessidade de ter suas funções iguais também dentro de casa. “Se as mulheres forem integralmente responsáveis pelo cuidado do lar e dos filhos, elas têm pouco espaço para se dedicarem a elas mesmas, as suas profissões e crescimento pleno”.

 

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Como elas conseguiram vender suas empresas para Arezzo, Hypera e Magalu?
seloCarreira

Como elas conseguiram vender suas empresas para Arezzo, Hypera e Magalu?

Há 5 horas

Após ataque do Irã a Israel, Conselho de Segurança da ONU e G7 se reúnem para discutir conflito
Mundo

Após ataque do Irã a Israel, Conselho de Segurança da ONU e G7 se reúnem para discutir conflito

Há 7 horas

Educação Inclusiva: apenas 16% das empresas têm programas para grupos minorizados, diz estudo
seloCarreira

Educação Inclusiva: apenas 16% das empresas têm programas para grupos minorizados, diz estudo

Há 8 horas

Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues
Mundo

Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais