Acompanhe:

A varejista online de moda Dafiti anuncia a criação da seção EMIGÊ - Moda Circular, loja que oferece produtos usados em boas condições e preços mais acessíveis quando comparado com o item novo. Com o espaço, o e-commerce tem o objetivo de estimular o consumo consciente.

"Em 2022, iniciamos a nossa estratégia de sustentabilidade 2030 e, desde então, começamos a buscar um parceiro que pudesse nos acompanhar nessa jornada da moda circular. O nosso objetivo era encontrar uma marca que, junto com a Dafiti, mostrasse a importância de estender a vida útil das peças e de aderir a um consumo mais consciente. Foi assim que nos conectamos à EMIGÊ", diz Cristiano Medeiros, gerente de Sustentabilidade da Dafiti.

Para ele, achegada da EMIGÊ - Moda Circular à Dafiti é uma oportunidade para que novas pessoas conheçam a moda circular. Pela primeira vez em um marketplace, a EMIGÊ disponibiliza produtos de diversas marcas nacionais e internacionais, como Banana Republic e Le Lis Blanc, que mudam de acordo com a rotatividade das vendas.

"Esse projeto nos ajuda a transformar nossa cadeia de fornecimento ao reduzir a extração de recursos, o que diminui o desperdício e os impactos ambientais. A EMIGÊ é uma empresa jovem, com DNA de sustentabilidade e alinhada aos compromissos da Dafiti. Trazer a marca para o nosso portfólio é uma forma de impactar de forma positiva todo o ecossistema da moda, estimulando a reutilização e expandindo as possibilidades de roupas e acessórios para novos consumidores", afirma.

Para Diego Mazon, CEO e fundador da marca, parcerias desse porte mostram a relevância da moda circular. "Estamos oferecendo aos clientes uma oportunidade única de adquirir peças exclusivas, a preços acessíveis, com qualidade e estilo, enquanto contribuem ativamente para a redução do desperdício têxtil e a preservação de nossos preciosos recursos naturais. Nós acreditamos que a moda do futuro é circular."

De acordo com Maria Gedeon, fundadora e head de produto, a cada peça vendida na Dafiti, há o aumento do ciclo de vida do produto e a redução de 80% do impacto ambiental gerado na produção. "Em dois anos, por meio do modelo de negócio, economizamos cerca de 120 milhões de litros de água, evitamos a emissão de cerca de 300 toneladas de CO2 na atmosfera e doamos mais de 25.000 peças de roupas para a ONG Lalec, que ajuda crianças em situação de vulnerabilidade. Acreditamos que, com a parceria com a Dafiti, nosso impacto será ainda maior".

Sustentabilidade na Dafiti

A Dafiti afirma reunir outros projetos ligados ao pilar da sustentabilidade. No final de julho, a empresa lançou o Dafiti Circula, que distribui pela cidade de São Paulo pontos de coleta, nos quais os consumidores conseguem destinar roupas que não usam mais.

Desde 2021, a companhia também oferece o Dafiti Eco, catálogo de produtos com atributos sustentáveis que engloba grandes marcas, como Adidas, GAP e Hering, e integram, ao menos, um dos pilares de atuação. "Em 2022, reduzimos 33% das emissões totais da pegada de carbono, em relação a 2021. Além disso, 80% das nossas embalagens são sustentáveis e no tema resíduos conquistamos a Certificação Lixo Zero, que garante que nenhum resíduo gerado no Centro de Distribuição é destinado aos aterros", diz Cristiano.

Circularidade nas varejistas de moda no Brasil

O tema da circularidade vem ganhando espaço nos varejos de moda do Brasil. Na Renner, por exemplo, foi iniciado em 2011 um programa de logística reversa para embalagens e frascos de perfumaria e cosméticos, e em 2017 para roupas. Em 2022, foram 11,5 toneladas de peças de vestuário coletadas. Outra frente da companhia é por meio da plataforma Repassa, adquirida em 2021. Nela, os clientes enviam suas roupas para que sejam exibidas e vendidas no brechó online. 

Já na C&A, o Movimento Reciclo, promove o recolhimento de peças de qualquer marca na maioria das lojas. Ao depositar uma peça nas urnas verdes do programa, abrem-se três possíveis caminhos para destinação: o da doação para ONGs e ações humanitárias; da reciclagem quando a peça não é apropriada para doação, como no caso de roupas íntimas; e da confecção de novas peças a partir do uso dos fios. A iniciativa permitiu que a varejista lançassem a linha Ciclos, de peças novas a partir de fios reciclados.

No  moletom Des.a.fio, a Malwee utiliza 85% de fios a partir de roupas usadas e 15% de fibra pet (a partir de garrafas pet). Este é o segundo lançamento do moletom da marca, mas com maior circularidade, visto que o modelo anterior, de 2022, tinha 70% de roupas usadas e 30% de fibra complementar.

Assim, a circularidade na moda segue por meio dos inúmeros pequenos brechós físicos ao redor do Brasil, as iniciativas online individuais, ou por meio de parceiras como é o caso da Dafiti com a Emigê. As ações são essenciais para mitigação dos efeitos nocivos a partir das mudanças climáticas, uma vez que a indústria da moda é a segunda mais poluente do mundo, atrás apenas da indústria petrolífera -- de acordo com o levantamento da Global Fashion Agenda, mais de 92 milhões de toneladas de resíduos têxteis foram descartados em anos recentes.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Complexo do Alemão contará com observatório do clima
ESG

Complexo do Alemão contará com observatório do clima

Há 20 horas

Biometano, economia circular e impacto social: o que moveu o ESG das empresas nesta semana
ESG

Biometano, economia circular e impacto social: o que moveu o ESG das empresas nesta semana

Há 2 dias

Petrobras avança em combustível de aviação sustentável e mira até 30% do mercado
ESG

Petrobras avança em combustível de aviação sustentável e mira até 30% do mercado

Há 2 dias

Artur Grynbaum: "Cada passo importa para um futuro sustentável"
ESG

Artur Grynbaum: "Cada passo importa para um futuro sustentável"

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais