Acompanhe:

Capacidade de energia a carvão cai pela primeira vez. É o início do fim?

Fechamento de usinas supera a abertura de novas unidades, apesar da aceleração da China no setor. Queda marca ponto de inflexão do combustível fóssil

Modo escuro

Continua após a publicidade
Mina de carvão: a pandemia interrompeu os projetos de novas usinas em curso. China concentra a maior parte das construções (Rupak De Chowdhuri/Reuters)

Mina de carvão: a pandemia interrompeu os projetos de novas usinas em curso. China concentra a maior parte das construções (Rupak De Chowdhuri/Reuters)

B
Bloomberg

Publicado em 3 de agosto de 2020 às, 16h50.

Última atualização em 3 de agosto de 2020 às, 16h59.

A capacidade global de energia a carvão caiu pela primeira vez no primeiro semestre de 2020 diante do maior número de fechamentos de usinas e projetos suspensos devido à pandemia de coronavírus.

O fechamento de usinas, especialmente na Europa e nos Estados Unidos, superou a abertura de unidades, das quais mais de 60% estavam na China, de acordo com relatório da Global Energy Monitor. A queda líquida de 2,9 gigawatts pode ser pequena — pouco mais de 0,1% da capacidade mundial de geração a carvão —, mas marca um ponto de inflexão na queima do combustível fóssil mais poluente para produzir eletricidade.

“A pandemia de covid-19 interrompeu o desenvolvimento de usinas a carvão no mundo todo e oferece uma oportunidade única para os países reavaliarem seus planos de energia futuros e escolherem o caminho de custo ideal, que é substituir a energia a carvão por energia limpa”, disse Christine Shearer, diretora do programa para carvão da Global Energy Monitor.

À medida que economias desenvolvidas na Europa e na América do Norte migram cada vez mais para fontes de energia mais limpas, empresas de mineração miram países asiáticos de rápido crescimento para impulsionar a demanda por combustíveis fósseis poluentes. Ainda assim, a demanda mundial por carvão deve registrar a maior queda anual desde a Segunda Guerra Mundial, sob o impacto da pandemia sobre a atividade econômica, segundo previsão feita em abril pela Agência Internacional de Energia.

O ritmo de construções na Ásia está diminuindo. Países como Bangladesh e Vietnã avaliam limitar ou adiar novas usinas de carvão, de acordo com a Global Energy Monitor, que reúne informações de fontes públicas, como artigos na mídia e agências não governamentais.

A expansão da energia a carvão da China agravaria o excesso de capacidade, de acordo com o relatório, citando um estudo da Universidade de Maryland segundo o qual a taxa de utilização média das usinas a carvão do país poderia cair para 45% até 2025.

Últimas Notícias

Ver mais
O que esporte e transição energética têm em comum? Para Bernardinho, tudo
Um conteúdo Bússola

O que esporte e transição energética têm em comum? Para Bernardinho, tudo

Há 12 horas

Lula assina MP que alivia contas de luz agora, mas pressiona tarifas no futuro
Economia

Lula assina MP que alivia contas de luz agora, mas pressiona tarifas no futuro

Há um dia

Energia nuclear é defendida como alternativa na transição energética
ESG

Energia nuclear é defendida como alternativa na transição energética

Há 2 dias

Se Enel SP ‘permanecer inerte’, podemos recomendar intervenção, diz diretor-geral da Aneel
Brasil

Se Enel SP ‘permanecer inerte’, podemos recomendar intervenção, diz diretor-geral da Aneel

Há 6 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais