Acompanhe:

Trump decreta que duas regulações sejam anuladas para cada nova

O decreto impõe que duas regulações sejam eliminadas para cada nova regulação criada, segundo funcionários do governo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Trump: "nós não precisamos de 97 regras diferentes para cuidar de apenas um elemento" (Ron Sachs/Getty Images)

Trump: "nós não precisamos de 97 regras diferentes para cuidar de apenas um elemento" (Ron Sachs/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 30 de janeiro de 2017 às, 14h21.

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta segunda-feira um decreto presidencial ordenando um corte severo da regulações federais, entregando assim uma nova promessa de campanha que tem o objetivo de impulsionar o crescimento econômico no país.

O decreto impõe que duas regulações sejam eliminadas para cada nova regulação criada, segundo funcionários do governo.

Eles afirmaram que esta será a maior mudança nesse sentido desde a presidência de Ronald Reagan. A ordem limita os custos de novas regulações pelo restante do próximo ano fiscal, que começa em outubro.

"Nós não precisamos de 97 regras diferentes para cuidar de apenas um elemento", afirmou Trump a um grupo de pequenos empresários nesta segunda-feira.

No início da reunião, Trump comentou sobre sua percepção de que a economia pode acelerar ao cortar tarifas e eliminar mais de 75% da regulação federal existente.

"O sonho norte-americano está de volta", disse.

O republicano afirmou que pessoas "realmente inteligentes" que investiram no mercado de ações após sua eleição "foram recompensados", e previu que o mercado de ações "não vai cair".

Trump delineou um grupo de áreas que devem sofrer mudanças na política econômica e regulatória. Ele mencionou, especificamente, alterações na lei Dodd-Frank, sobre o sistema financeiro, embora ele não tenha dito o que pretende mudar.

"A Dodd-Frank é um desastre", disse. "Nós vamos fazer um grande número (de mudanças) na Dodd Frank.

Os comentários de Trump são os primeiros desde que ele baniu temporariamente a entrada de visitantes de sete países de maioria muçulmana no país, um movimento que atraiu forte repercussão negativa internacional. O presidente não se mostrou incomodado pela reação.

"Algum dia precisávamos fazer isso, então decidimos fazer isso", disse.

Trump também defendeu o uso do "domínio iminente" - uma regra que permite a governos expropriarem terrenos e propriedades em benefício grandes projetos -, afirmando que empresas poderão utilizar esse recurso para a construção dos oleodutos revividos pelo governo. O assunto já atraiu críticas ao empresário no passado.

"Eles precisam do domínio iminente para fazer o oleoduto", disse. "Mas se vamos utilizar nossos esses e outros poderes, quero que o oleoduto seja construído com aço norte-americano." Fonte: Dow Jones Newswires.

Últimas Notícias

Ver mais
Fabricante da Barbie e do Hot Wheels terá parque temático; veja como será
Pop

Fabricante da Barbie e do Hot Wheels terá parque temático; veja como será

Há 20 horas

TikTok dá mais um passo para fora dos Estados Unidos
Tecnologia

TikTok dá mais um passo para fora dos Estados Unidos

Há um dia

Câmara dos EUA aprova nova ajuda militar a Israel
Mundo

Câmara dos EUA aprova nova ajuda militar a Israel

Há um dia

Câmara dos EUA aprova, de novo, projeto que pode banir o TikTok
Tecnologia

Câmara dos EUA aprova, de novo, projeto que pode banir o TikTok

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais