Briga entre Japão e China faz 2014 lembrar 1914, diz Roubini

No Twitter, economista diz que tensões entre China e Japão estão levando analistas a comparar 2014 com 1914, ano em que estourou a Primeira Guerra Mundial


	O economista Nouriel Roubini é conhecido pelo apelido de Dr. Desastre (Dr. Doom)
 (Simon Dawson/Bloomberg)
O economista Nouriel Roubini é conhecido pelo apelido de Dr. Desastre (Dr. Doom) (Simon Dawson/Bloomberg)
João Pedro Caleiro

João Pedro Caleiro

Publicado em 23 de janeiro de 2014 às 12h39.

São Paulo - Nouriel Roubini deu hoje novas razões para justificar seu apelido de Dr. Desastre.

De Davos, na Suíça. onde participa do Fórum Econômico Mundial, o economista americano publicou tuítes com paralelos entre 2014 e 1914, o ano de início da Primeira Guerra Mundial.

O motivo principal: a escalada de tensões entre Japão e China.

Conflito

O debate ganhou força depois que o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe foi questionado em Davos se uma guerra entre Japão e China era "concebível".

Ele não só evitou descartar a possibilidade como comparou a tensão entre os dois países com a relação entre a Inglaterra e a Alemanha em 1914, de acordo com um artigo publicado no Financial Times pelo próprio moderador do debate.

Falando em outra reunião do Fórum, o influente acadêmico chinês Wu Xinbo, professor de estudos internacionais na Universidade de Fudan, chamou Abe de "criador de problemas" e disse que a confiança entre os dois países era baixa.

O espectro da repetição de 1914 já havia sido levantado pelo professor de Harvard e ex-secretário assistente do Ministério da Defesa americano, Joseph S. Nye, em um texto no Project Syndicate - porém com muitas ressalvas.

Paralelos

Roubini também citou como características comuns entre os dois anos a desigualdade extrema, a reação contra a globalização e o risco de eventos raros na economia:

O paralelo da "desglobalização" também já havia sido levantado por outros analistas.

Mais de Economia

Se incerteza continuar alta, BC tem de trabalhar no ritmo de cortes, afirma Campos Neto

Preços do etanol sobem em 18 Estados e no DF, mostra ANP; valor médio sobe 1,87%

Silveira diz que preço do dólar e do brent podem ajudar na distribuição de dividendos da Petrobras

Desenrola para empresas e crédito para MEIs e CadÚnico: veja os detalhes do programa Acredita

Mais na Exame