Economia

Temer considera acertada decisão sobre suspensão de aumento do IPI

Vice-presidente disse que já havia alertado Mantega quanto à impossibilidade constitucional de medida ser implementada em menos de 90 dias

O vice-presidente fez o comentário durante a sua participação no 25º Congresso Brasileiro de Direito Tributário (Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr)

O vice-presidente fez o comentário durante a sua participação no 25º Congresso Brasileiro de Direito Tributário (Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr)

DR

Da Redação

Publicado em 21 de outubro de 2011 às 20h25.

São Paulo - O vice-presidente da República, Michel Temer, considerou nesta sexta-feira, 21, acertada a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que suspendeu ontem (20), por unanimidade, a cobrança imediata do aumento do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros importados, que foi instituída por decreto presidencial em setembro.

Segundo Temer, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, já havia sido alertado por ele sobre a impossibilidade constitucional de implementar a medida em menos de 90 dias. "O objetivo do texto constitucional do IPI é justamente evitar a surpresa do aumento de 7% para 37%, que, conforme a Constituição Federal, deveria entrar em vigor em 90 dias depois da publicação da norma. Eu já tinha alertado o ministro Mantega sobre isso", contou o vice-presidente, que é professor de direito constitucional.

O vice-presidente fez o comentário durante a sua participação no 25º Congresso Brasileiro de Direito Tributário, promovido em um hotel da capital paulista. Os ministros do STF avaliaram ontem que a Constituição Federal determina que mudanças que impliquem aumento de tributos só podem vigorar 90 dias após a publicação de decreto ou lei.Segundo eles, esse é um direito fundamental dos contribuintes de não serem surpreendidos.

A medida de aumentar o IPI dos carros importados foi adotada pelo governo federal como forma de "preservar os empregos no Brasil" e "fortalecer a indústria nacional". A Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra a cobrança imediata da alta para carros importados foi ajuizada pelo DEM.

Acompanhe tudo sobre:ImpostosIPILeãoMDB – Movimento Democrático BrasileiroMichel TemerPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileiros

Mais de Economia

Haddad diz que terá reunião com Pacheco nesta semana para discutir dívida dos estados

Senado aprova novas regras paras os seguros, e texto segue para a Câmara

RS e BNDES negociam parceria estratégica sobre desastres ambientais

Marco dos seguros avança no Senado e segue para o plenário da Casa

Mais na Exame