Economia

Tebet anuncia linha de financiamento do BNDES para projeto de rota de integração sul-americana

O anúncio se dá no esforço do governo federal em estreitar a relação com países da América do Sul

De acordo com Tebet, esse movimento é necessário (Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil)

De acordo com Tebet, esse movimento é necessário (Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 12 de dezembro de 2023 às 14h56.

Última atualização em 12 de dezembro de 2023 às 15h00.

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, anunciou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) terá linha de financiamento de US$ 10 bilhões para projeto da rota de integração sul-americana, mapeado pelo Planejamento e que envolverá obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). De acordo com ela, a maior parte das obras já está contemplada no programa, o que não trará custos extras ao Orçamento.

O anúncio se dá no esforço do governo federal em estreitar a relação com países da América do Sul. De acordo com Tebet, esse movimento é necessário.

Rota de integração

A ministra participou da abertura da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico Social Sustentável (CDESS), o Conselhão, cuja reunião nesta terça-feira, 12, teve a apresentação das recomendações de comissões temáticas e grupos de trabalho em áreas como Economia do Futuro, Transição Energética, Primeira Infância, e ampliação ao crédito.

Tebet disse que o Ministério fez cinco rotas de integração das Américas para mapear as obras. Além do apoio do BNDES, a linha de financiamento também contará com o suporte de outros bancos de desenvolvimento.

Acompanhe tudo sobre:BNDESSimone-TebetOrçamento federal

Mais de Economia

Quer investir nos EUA? Saiba como escolher ações internacionais

Reforma Tributária: deputados pretendem apresentar relatório até final de junho

Após concluir missão no Brasil, FMI diz ser prudente BC ter flexibilidade para atuar

IPCA-15 de maio acelera e fica em 0,44%; inflação acumulada de 12 meses vai a 3,70%

Mais na Exame