Acompanhe:

Governadores de seis estados do Sul e Sudeste enfrentam resistências em suas bases nas Assembleias Legislativas para aprovar o anunciado aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Os deputados estaduais temem possíveis desgastes provocados pela medida, considerada impopular.

Após a aprovação da Reforma Tributária no Senado, o reajuste foi defendido pelos governadores Cláudio Castro (Rio de Janeiro), Tarcísio de Freitas (São Paulo), Renato Casagrande (Espírito Santo), Romeu Zema (Minas Gerais), Ratinho Júnior (Paraná) e Eduardo Leite (Rio Grande do Sul).

Apesar de as propostas ainda não terem sido enviadas, a avaliação é de que os chefes dos Executivos terão dificuldade para aumentar a alíquota para 19,5%. Entre os seis governadores, cinco pertencem ao centro ou à direita, segmentos tradicionalmente contrários a aumentos de tributação.

Ambiente desfavorável

Em São Paulo, o reajuste é tido na Assembleia Legislativa (Alesp) como mais um desgaste, no momento em que os paulistas sofreram impactos financeiros com os recentes apagões e o governo tenta aprovar o projeto de privatização da companhia de saneamento, a Sabesp. Tarcísio de Freitas (Republicanos) chegou a indicar posicionamento favorável à Reforma Tributária. Afirmou, após reunião com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em julho, que o estado concordava com 95% das mudanças.

Carta divulgada por esses seis estados não explicita o percentual de aumento, mas os governadores devem confirmar a proposta de alíquota mínima de 19,5%. Em São Paulo, hoje, é de 18%. O documento cita que, no atual texto da Reforma Tributária, a participação de cada ente no total arrecadado pelo IBS (novo imposto) dependerá da receita média de cada estado com o ICMS entre 2024 e 2028. Foi esse o principal incentivo para o movimento de aumento da alíquota

O mineiro Romeu Zema (Novo), que prometeu em sua campanha à reeleição não elevar impostos, já enfrentou dificuldades para aprovar outros aumentos. Em setembro reajustou em dois pontos percentuais o ICMS de itens considerados por ele supérfluos, como cerveja e smartphones. O projeto foi aprovado em votação apertada: 31 votos favoráveis, 27 contrários e 18 ausentes. Assim como em São Paulo, a alíquota em Minas é de 18% hoje.

O reajuste do ICMS para supérfluos foi proposto após o governador ter concedido benefícios fiscais a locadoras de veículos. A expectativa de Zema é arrecadar entre R$ 800 milhões a R$ 1,2 bilhão por ano com a mudança, valor equivalente ao garantido às locadoras em isenções. Somente uma locadora beneficiada, aponta a oposição, contribuiu com R$ 5 milhões em doações à campanha de reeleição de Zema.

No Rio, Cláudio Castro (PL) tenta convencer os deputados a aprovarem o aumento, após ter estendido a isenção do ICMS ao arroz e ao feijão até abril do ano que vem. Em 2022, ano eleitoral, Castro reduziu a alíquota da gasolina de 32% para 18%, uma das medidas mais populares de seu mandato e alinhada com medidas do ex-presidente Jair Bolsonaro, seu aliado, que também disputou, mas sem sucesso, a reeleição.

Para o doutor em Políticas Públicas da Universidade Estadual do Ceará Marcos Paulo Campos, a pauta enfrenta três entraves: é impopular, ocorre num momento de boa aceitação da Reforma Tributária e é incoerente com o projeto de gestores que defendem o Estado mínimo:

— Em um contexto pós pandêmico, esse tipo de aprovação enfrenta ainda mais dificuldade já que o Brasil segue com juros altos e poder de compra baixo. A justificativa pública desses governadores também não é interessante: estão se antecipando a uma medida que ainda não foi sancionada e não é vista como negativa por grande parte dos brasileiros.

Primeiras grandes crises

No Espírito Santo de Renato Casagrande (PSB) e no Rio Grande do Sul de Eduardo Leite (PSDB), o aumento do ICMS representa a primeira crise de seus governos na atual gestão. Após quase 11 meses sem grandes choques e embates com o Legislativo, ambos viraram alvos de ataques.

Leite tem sido criticado pela base e a oposição em plenário. Líder do PT, Luiz Fernando Mainardi afirma que o tucano entrou em contradição:

— Ele (Leite) diz uma coisa e faz outra, e isso tem sido muito frequente. Diz que não vai concorrer à reeleição e concorre, que não vai privatizar, aí privatiza. Falou que não aumentaria impostos e agora quer aumentar. Quando isso se torna rotineiro, compromete não apenas a imagem do governador, mas a imagem do nosso próprio estado.

No Espírito Santo, Casagrande tem defendido que se o governo não reajustar a alíquota do ICMS, no futuro ele pode ser responsabilizado por eventuais perdas financeiras do estado. A oposição e parte da base encara a medida como impopular. Interlocutores afirmam que o grupo já se mobiliza para barrar o aumento.

Antes da aprovação da Reforma Tributária pelo Senado, cinco estados já haviam aumentado o ICMS: Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rondônia.

Em Pernambuco, a governadora Raquel Lyra (PSDB) conseguiu reajustar o imposto, mas o aumento elevou a tensão entre os parlamentares e o governo, dando início a uma série de embates em sua gestão. Entre as derrotas, a tucana teve rejeitada a lei orçamentária do estado

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Exportações chinesas ganham velocidade apesar de Ano Novo Chinês
Economia

Exportações chinesas ganham velocidade apesar de Ano Novo Chinês

Há 10 horas

Grandes bancos dos EUA reclamam de critérios do Fed divulgados para teste de estresse
Economia

Grandes bancos dos EUA reclamam de critérios do Fed divulgados para teste de estresse

Há 12 horas

Carnaval eleva vendas na cidade de SP entre 8% e 10% ante mesmo período de 2023, diz ACSP
Economia

Carnaval eleva vendas na cidade de SP entre 8% e 10% ante mesmo período de 2023, diz ACSP

Há 14 horas

BC dos EUA testará 32 bancos em cenário hipotético de recessão severa
Economia

BC dos EUA testará 32 bancos em cenário hipotético de recessão severa

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais