Economia

Seca no Sul afetou mais de 3 milhões de pessoas

Autoridades informaram que a falta de água já compromete a produção agrícola e o abastecimento nos três estados

Pelos dados da Defesa Civil catarinense, 83 municípios estão em situação de emergência (Flávio Berger/EXAME.com)

Pelos dados da Defesa Civil catarinense, 83 municípios estão em situação de emergência (Flávio Berger/EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 20 de janeiro de 2012 às 17h21.

Brasília - A estiagem ainda causa estragos no Sul do país. Mais de 500 municípios, em Santa Catarina, no Rio do Sul e no Paraná, estão em situação de emergência e cerca de 3 milhões de pessoas foram afetadas pela falta de chuva desde novembro do ano passado. As autoridades informaram que a falta de água já compromete a produção agrícola e o abastecimento nos três estados.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) prevê para hoje (20) tempo nublado e pancadas de chuva e trovoadas no Leste de Santa Catarina, Centro e Leste do Paraná. Há previsão de chuvas isoladas nas demais áreas dos estados e no norte do Rio Grande do Sul. A temperatura deve oscilar entre 12 graus Celsius (°C) e 37°C. Apesar da previsão, as chuvas devem ocorrer de forma isolada e com curta duração, portanto não serão suficientes para reverter a situação da estiagem.

A Defesa Civil de Santa Catarina informou que as sete cidades vinculadas à região administrativa de São Miguel do Oeste receberão kits para tentar amenizar a ausência de água na área. Neles, há quatro caixas de água, duas bombas e acessórios como cintos e mangueiras para o transporte de água para consumo humano.

Pelos dados da Defesa Civil, 83 municípios estão em situação de emergência e a estimativa é que 495.244 pessoas tenham sido afetadas em cidades catarinenses.

A Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri) de Santa Catarina informou também que os prejuízos na agropecuária da região somam R$ 470 milhões. A produção mais prejudicada é a do milho. A estimativa é que 642,6 mil toneladas foram perdidas, representando 16,6% da produção esperada - que era de 3,88 milhões de toneladas.


A Epagri acrescentou ainda que 118 técnicos auxiliarão os produtores na preparação dos laudos periciais para receberem o seguro agrícola.

No Paraná, as cidades mais atingidas estão no Oeste e Sudoeste do estado. Há quatro dias, o governo do estado assinou decreto coletivo de situação de emergência, incluindo 137 municípios, dos quais 20 já haviam feito o decreto. Em mais dez cidades houve notificações preliminares de desastre (conhecida como Nopred). No total, a Defesa Civil estadual calcula que 1.346.296 pessoas são vítimas da estiagem.

O levantamento mais recente do Departamento de Economia Rural da Secretaria da Agricultura e Abastecimento mostra que a estiagem comprometeu 11,5% a safra de verão do Paraná, que estava prevista para 22,13 milhões de toneladas.As perdas no campo causaram um prejuízo financeiro de R$ 1,52 bilhão.

No Paraná, as culturas mais atingidas foram o milho, a soja e o feijão. O governo paranaense pediu rapidez nas vistorias de áreas afetadas para que os produtores possam receber as indenizações e retomar suas atividades, minimizando os prejuízos causados pela seca.

No Rio Grande do Sul, 312 municípios estão em situação de emergência e nove fizeram apresentaram Nopred. A Defesa Civil estadual estima que 1.837.395 pessoas tenham sido afetadas. A chuva da última semana trouxe um alívio para parte dos agricultores no Leste, Nordeste e Norte do estado. Mas as perdas, segundo as autoridades, são severas e tendem a aumentar.

Acompanhe tudo sobre:Meio ambienteRio Grande do SulSanta CatarinaSul

Mais de Economia

Mercadante diz que votação de LCD no Senado deve ficar para próxima semana por causa do feriado

Haddad diz que debate sobre taxação de compras internacionais está 'polarizado'

Haddad levanta possibilidade de apresentar MP de compensação da desoneração na próxima semana

Temporada de resultados nos EUA: o que explica o otimismo do mercado?

Mais na Exame