Economia

Preços no atacado caem e IGP-DI recua em julho, diz FGV

Índice é diretamente empregado no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) e das contas nacionais em geral

IGP-DI: índice é usado como referência para correções de preços e valores contratuais (Marcello Casal jr/Agência Brasil)

IGP-DI: índice é usado como referência para correções de preços e valores contratuais (Marcello Casal jr/Agência Brasil)

R

Reuters

Publicado em 8 de agosto de 2019 às 08h55.

São Paulo — O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) recuou 0,01% em julho de alta de 0,63% em junho, depois que a deflação no atacado compensou a pressão maior no varejo, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira.

No mês, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-DI), que responde por 60% do indicador todo, mostrou queda de 0,22%, depois de uma alta de 0,83% no mês anterior.

Os preços das Matérias-Primas Brutas desaceleraram a alta a 1,14% em julho, de um avanço de 3,92% antes. Já a queda de Bens Intermediários se intensificou a 1,10%, de recuo de 0,52% no mês anterior.

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI), que responde por 30% do IGP-DI, voltou a subir 0,31% em julho, ante deflação de 0,02% em junho. O destaque foi o grupo Habilitação, que passou a subir 1,02%, de uma queda de 0,10% antes.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-DI), por sua vez, desacelerou a alta a 0,58% em julho, sobre 0,88% no mês anterior.

O IGP-DI é usado como referência para correções de preços e valores contratuais. Também é diretamente empregado no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) e das contas nacionais em geral.

Acompanhe tudo sobre:IGP-DI

Mais de Economia

Cade analisa se parceria entre Gol e Azul precisa ser submetida ao órgão

Eletrobras: trabalhadores poderão entrar em greve a partir de 3 de junho

'Esta semana fiquei nervoso porque vi o preço do arroz muito caro no supermercado', diz Lula

Dia da Indústria: setor busca modernização, com inovação e compromisso sustentável

Mais na Exame