Acompanhe:

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, reforçou nesta quarta-feira, 8, que os dirigentes da autoridade monetária analisarão uma série de dados econômicos que ainda vão ser divulgados antes de tomar uma decisão sobre a trajetória futura dos juros. Em audiência na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Powell reiterou que, de qualquer forma, os indicadores recentes sugerem que a taxa terminal será maior que o previsto anteriormente.

O banqueiro central acrescentou que o Fed está ciente dos efeitos "defasados" da política monetária e explicou que a desaceleração no ritmo de aperto foi uma maneira de avaliar esses impactos. Segundo ele, os bancos americanos continuam fortemente capitalizados.

Inflação

O presidente do Federal Reserve ressaltou que a inflação "não cai sozinha", a menos que seja movida por fatores transitórios. Ele notou que a inflação sobre bens, impulsionada por problemas nas cadeias de produção derivadas da pandemia da covid-19, teve queda recente, conforme essas dificuldades são contornadas. Há, porém, inflação que não está relacionada a esses fatores transitórios, que precisa ser contida, apontou.

Ainda comentou que reagir em sua política ao orçamento do governo federal não é algo no escopo do Fed, mas o BC monitora os níveis de dívida e seus efeitos.

Powell disse também que o Fed não almeja um nível particular para os salários, mas se concentra em seu mandato de inflação na meta de 2% e máximo emprego.

Ainda segundo o presidente do BC, os grandes bancos americanos almejam uma "abordagem uniforme" nas regulações relacionadas ao clima.

Meta de inflação, dívida e dólar

O presidente do Federal Reserve reafirmou que não há a intenção de alterar a meta de inflação de 2% da instituição. Ele também comentou que os EUA estão em "trajetória insustentável" em sua dívida, o que precisa ser corrigido, sem citar datas.

Powell foi questionado em outro momento sobre o dólar e considerou que ele não parece sofrer "grande ameaça" de perder seu status de moeda de reserva global. Ainda para o dirigente, o Fed deseja que os salários aumentem no país, mas é preciso que esse movimento acompanhe o avanço da produtividade, a fim de não impulsionar a inflação.

Recessão

Jerome Powell afirmou também que a instituição não deseja "provocar uma recessão", mas está concentrada em levar a inflação de volta à meta de 2%. Durante a audiência, ele defendeu a importância de controlar o nível dos preços.

Em outro momento de suas respostas a questões de deputados, Powell notou que um recuo na globalização poderia produzir inflação mais elevada, e consequentemente levar a juros mais altos. Sobre o mercado de trabalho, ele comentou que pode haver dificuldades para mensurar perfeitamente os números de trabalhadores informais.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Dólar cai 0,47% com ajustes em meio à fala dura de Campos Neto
seloMercados

Dólar cai 0,47% com ajustes em meio à fala dura de Campos Neto

Há um dia

Ibovespa cai pelo 6º pregão seguido e tem maior sequência negativa em 9 meses
seloMercados

Ibovespa cai pelo 6º pregão seguido e tem maior sequência negativa em 9 meses

Há um dia

Livro-bege dos EUA, dólar, IBC-Br e Petrobras (PETR4): os assuntos que movem o mercado
seloMercados

Livro-bege dos EUA, dólar, IBC-Br e Petrobras (PETR4): os assuntos que movem o mercado

Há um dia

Ibovespa fecha em queda pelo 5º dia e aprofunda pior patamar do ano; dólar sobe a R$ 5,27
seloMercados

Ibovespa fecha em queda pelo 5º dia e aprofunda pior patamar do ano; dólar sobe a R$ 5,27

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais