Acompanhe:

PIB recua 0,9% no 4º tri e 3,6% em 2016, diz IBGE

Somada com a queda ainda maior de 3,8% do PIB em 2015, o Brasil teve dois anos seguidos de recessão, o que não ocorria desde 1930-1931

Modo escuro

Continua após a publicidade
Construção de casas (Drawlio Joca/EXAME)

Construção de casas (Drawlio Joca/EXAME)

J
João Pedro Caleiro

Publicado em 7 de março de 2017 às, 09h09.

Última atualização em 7 de março de 2017 às, 10h40.

São Paulo - O PIB do Brasil recuou 0,9% no 4º trimestre de 2016 e 3,6% no balanço anual, informou hoje o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A queda trimestral foi a oitava consecutiva e ficou na ponta mais pessimista das projeções de mercado, que iam de -0,3% a -0,9%, com média de -0,5% de acordo com pesquisa da Bloomberg com 34 analistas.

Com o resultado negativo de 3,6% somado com a queda ainda maior de 3,8% em 2015, o Brasil teve dois anos seguidos de recessão, o que não ocorria desde 1930-1931.

2016 teve recuo em todos os setores: agropecuária (-6,6%), indústria (-3,8%) e serviços (-2,7%).

Um raro destaque positivo foi a performance do setor de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana, que cresceu 4,7% em relação a 2015.

No lado negativo, chamam a atenção a indústria de transformação e na construção (cada uma com queda de 5,2%, além de serviços, transporte, armazenagem e correio (-7,1,%) e comércio (-6,3%).

O PIB fechou o ano em R$ 6.266,9 bilhões, levando a uma queda em termos de reais de 4,4% do PIB per capita, que ficou em R$ 30.407.

O consumo das famílias aprofundou a queda de 3,9% em 2015 para 4,2% em 2016, resultado da "deterioração dos indicadores de juros, crédito, emprego e renda ao longo de todo o ano", segundo o IBGE.

A taxa de investimento em relação ao PIB caiu quase dois pontos percentuais em um ano, indo de 18,1% para 16,4%.

"Este recuo é justificado pela queda da produção interna e da importação de bens de capital, sendo influenciado ainda pelo recuo da construção", diz o IBGE.

A taxa de poupança caiu de 14,4% para 13,9% no mesmo período. O ano teve leve alta das exportações (1,9%) e queda acentuada das importações (-10,3%).

Período de comparaçãoPIB
4º Tri 2016 / 3º tri 2016-0,9%
4º Tri 2016 / 4º Tri 2015-2,5%
2016 em relação a 2015-3,6%
Valores correntes no ano (R$ bilhões)1.630,6

 

Período de comparaçãoAgropec.IndústriaServiços
4º Tri 2016 / 3º tri 20161,0%-0,7%-0,8%
4º Tri 2016 / 4º Tri 2015-5,0%-2,4%-2,4%
2016 em relação a 2015-6,6%-3,8%-2,7%
Valores correntes no ano (R$ bilhões)52,9298,61.058,9

 

Período de comparaçãoInvestimentoCons. Fam.Cons. Gov.
4º Tri 2016 / 3º tri 2016-1,6%-0,6%0,1%
4º Tri 2016 / 4º Tri 2015-5,4%-2,9%-0,1%
2016 em relação a 2015-10,2%-4,2%-0,6%
Valores correntes no ano (R$ bilhões)254,81.042,2369,3

 

Últimas Notícias

Ver mais
Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos
Economia

Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos

Há 9 horas

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad
Economia

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad

Há 11 horas

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE
Economia

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE

Há 11 horas

Lula comemora resultado do PIB e afirma que país 'cresceu mais do que o previsto'
Brasil

Lula comemora resultado do PIB e afirma que país 'cresceu mais do que o previsto'

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais