• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Pesquisa mostra 6ª queda do PIB, com sinais de retomada

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve ter caído 0,5% entre abril e junho sobre o primeiro trimestre deste ano

	PIB: o PIB recuou 0,3% entre janeiro e março e deve ter baixa de mais de 3% em 2016 como um todo
 (Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas)
PIB: o PIB recuou 0,3% entre janeiro e março e deve ter baixa de mais de 3% em 2016 como um todo (Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas)
Por Da RedaçãoPublicado em 26/08/2016 18:46 | Última atualização em 26/08/2016 18:46Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Brasília  - A recessão no Brasil continuou no segundo trimestre mas parece estar perto do fim, segundo pesquisa da Reuters publicada nesta sexta-feira, com economistas apontando sinais de melhora da confiança e de crescimento da indústria.

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve ter caído 0,5 por cento entre abril e junho sobre o primeiro trimestre deste ano, com ajuste sazonal, no que seria a sexta queda consecutiva do indicador, segundo a mediana de 24 projeções.

As estimativas variaram entre alta de 0,6 por cento e baixa de 0,9 por cento.

O PIB recuou 0,3 por cento entre janeiro e março e deve ter baixa de mais de 3 por cento em 2016 como um todo. A recessão, já em seu segundo ano, caminha para ser a pior já registrada no país em mais de cem anos.

Na comparação anual, o PIB deve ter contraído 3,6 por cento em relação ao segundo trimestre de 2015, reduzindo a intensidade da baixa após queda de 5,4 por cento no primeiro trimestre. As projeções, neste caso, variaram entre retração de 3,1 e 4,8 por cento.

Os dados do segundo trimestre devem mostrar mais queda no consumo das famílias, a sexta consecutiva, segundo economistas na pesquisa.

Os investimentos também devem ter recuado, prolongando a sequência negativa iniciada em 2013, embora alguns analistas tenham dito que o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff pode ter encorajado algumas empresas a descongelar projetos de investimento.

"A recessão chegou ao fundo do poço no meio de 2016," disse o diretor para a América Latina da Moody's Analytics, Alfredo Coutino, acrescentando que a economia deve começar a crescer novamente ainda antes do final do ano.

Mais de 1,7 milhão de brasileiros perderam o emprego nos últimos 12 meses. A crise custou ao Brasil o grau de investimento pelas agências de classificação de risco e ajudou a desestabilizar o governo de Dilma, que deve ser definitivamente afastada da Presidência na próxima semana pelo Senado.

Os primeiros sinais de recuperação vieram da melhora na confiança dos consumidores e dos empresários, que saíram das mínimas históricas. A produção industrial também voltou a crescer, ajudada pelo câmbio, que tem desencorajado importações.

A indústria não cresce desde o primeiro trimestre de 2014, segundo os dados do PIB.

"Após quase três anos de recessão da indústria, acreditamos que o setor se estabilizou e está começando a ganhar impulso," escreveu o economista do Morgan Stanley, Arthur Carvalho.

"Claro, isso vem sobre uma base muito deprimida, mas ainda assim é uma recuperação." O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga os dados na quarta-feira às 9h.