Economia

Petrobras vai apresentar ao governo proposta de apoio à indústria naval, diz Prates

Presidente da estatal afirmou que a companhia pretende contratar cerca de 200 barcos de apoio até 2028

Jean Paul Prates, presidente da Petrobras (Maria Magdalena Arrellaga/Getty Images)

Jean Paul Prates, presidente da Petrobras (Maria Magdalena Arrellaga/Getty Images)

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 18 de abril de 2024 às 12h21.

Última atualização em 18 de abril de 2024 às 13h17.

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, anunciou nesta quinta-feira, 18, que a estatal está analisando os planos de construção das plataformas de petróleo P-84 e P-85, que estão entre as maiores da história da empresa. Segundo o executivo, a Petrobras busca ser um pilar na recuperação do setor naval brasileiro.

Ambas as plataformas devem começar a operar depois de 2028, pois não estão incluídas no plano estratégico atual da empresa, lançado no final de 2023 e que abrange os próximos cinco anos.

A declaração de Prates pode ser vista como uma resposta à pressão de partes da indústria naval, que têm pedido mudanças nos contratos de licitação das plataformas, para facilitar a construção de partes das estruturas no Brasil, segundo informações da CNN Brasil.

“Temos expectativas de construção em breve das (plataformas) P-84 e P-85”, declarou o presidente da Petrobras ao falar em discurso em evento do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), no Rio de Janeiro. No entanto, Prates não deu informações sobre como será a contratação das unidades e as possibilidades de construção nos estaleiros do país.

Desafios da indústria naval

Atualmente, o Brasil possui capacidade para fabricar equipamentos e componentes das plataformas de produção de petróleo, mas ainda não conta com tecnologia e a infraestrutura necessárias para construir uma unidade completa.

As empresas contratantes muitas vezes enfrentam os elevados custos na indústria naval do país e afirmam que encontram condições mais favoráveis em outros países, principalmente na Ásia.

De acordo com Prates, a Petrobras está em negociações com o governo federal para dar suporte à indústria naval brasileira. Ele ressaltou que um programa de apoio governamental está previsto para ser lançado ainda neste primeiro semestre.

“Estamos discutindo neste momento com o governo ideias que levamos ao MME (Ministério de Minas e Energia), à Casa Civil e ao próprio presidente da República, para apoiar esse setor”.

Ele também afirmou que, levando em conta essas propostas, a companhia pretende contratar cerca de 200 barcos de apoio até 2028.

Dividendos extraordinários

Prates também disse que a decisão sobre dividendos extraordinários que provocou a recente crise da estatal, está nas mãos do Conselho de Administração (CA) e que o governo federal vai orientar seus representantes a este respeito. O executivo também admitiu a possibilidade de que o governo leve uma proposta de pagamento diretamente à assembleia de acionistas do dia 25 de abril, sem que isso passe pelo CA.

Conselheiro indicado pela União, Prates ressaltou que não tratou do assunto com o governo em sua viagem à Brasília nessa semana, e que a proposta da diretoria para dividendos já estava no conselho contando com "respaldo técnico".

Em 7 de março, a maioria dos membros do CA da Petrobras decidiu reter R$ 43 9 bilhões em dividendos extraordinários apurados no exercício de 2023, à contragosto de Prates, que propunha o pagamento de metade do valor e se absteve de votar, e dos representantes minoritários, que votaram pelo pagamento integral.

As últimas semanas têm sido de negociações sobre o tema na Esplanada dos Ministérios. Segundo fontes, o ministro da Fazenda Fernando Haddad, tem defendido pagamento de fração maior, até para ajudar nas contas do governo, que fica com 36,6%.

Do outro lado, os ministros da Casa Civil, Rui Costa, e de Minas e Energia, Alexandre Silveira, defenderiam porcentual menor, na casa dos 30%.

(Com informações de Estadão Conteúdo)

Acompanhe tudo sobre:PetrobrasGoverno LulaLuiz Inácio Lula da SilvaIndústria navalJean Paul Prates

Mais de Economia

Os bastidores do evento que reuniu lideranças em NY para debater os caminhos do Brasil

China promete manter fortalecimento da cooperação bilateral com o Irã, em reunião de ministros

Ativos do Sicoob crescem 25% e encerram 2023 em R$ 298,4 bilhões

BNDES anuncia crédito de R$ 500 mi a fornecedores de materiais e equipamentos para SUS

Mais na Exame