Economia

Para analistas, crise política ameaça reforma da Previdência

Para especialistas, congelamento de gastos não vai parar em pé sem a reforma da Previdência, mas crise política atrapalha

Previdência: nova onda de delações deve enfraquecer o governo, segundo economistas (Antonio Cruz/ABr)

Previdência: nova onda de delações deve enfraquecer o governo, segundo economistas (Antonio Cruz/ABr)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 14 de dezembro de 2016 às 11h17.

São Paulo - Economistas que acompanham o ajuste fiscal consideraram um importante avanço a aprovação da proposta de emenda à Constituição que cria um limite para os gastos, a chamada PEC do Teto.

No entanto, agora há uma grande apreensão em relação à capacidade de o governo e de o próprio Congresso darem o próximo passo: aprovar a reforma da Previdência.

A avaliação é que a nova onda de delações dentro da Operação Lava Jato, protagonizada pelos executivos da Odebrecht, tende a enfraquecer a base aliada, contaminar a discussão sobre a Previdência, desidratando ou até mesmo impedindo a reforma.

A mensagem central da aprovação da PEC é que o governo conseguiu dar um passo à frete. "Depois de todo o retrocesso que a gente observou com a chamada contabilidade criativa, sobretudo com as pedaladas fiscais, agora há uma luz no fim do túnel", diz Felipe Salto, diretor executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI). Salto destaca que o teto tem um grande mérito: "Coloca o reequilíbrio das contas públicas no topo da agenda econômica."

Mas tanto Salto como os demais economistas lembram que a proposta é rígida, mas "não para de pé" sem a reforma da Previdência. Os gastos previdenciários crescem, em média, 4% acima da inflação todos os anos. Ou seja, se não forem controlados, vão explodir as contas públicas - a maior parte do Orçamento irá para a Previdência.

Risco

Apresentada também como PEC, a reforma da Previdência já está tramitando. As medidas por si só são consideradas polêmicas e tendem a enfrentar resistência da população.

Agora, porém, observam os economistas, há outro elemento que vai pesar contra: o acirramento da crise política depois do vazamento da primeira das 77 delações da Odebrecht, grupo investigado na Lava Jato.

"A gente pode defender a reforma da Previdência com unhas e dentes, mas o fato é que ela já está contaminada pelo agravamento da crise política", diz Mônica de Bolle, pesquisadora do Instituto Peterson de Economia Internacional.

Ela conta ter passado o final de semana lendo a delação que vazou. "Por mais que o pessoal tente desclassificá-la, ela narra, com detalhes, como funcionou o balcão de negócios dentro do Senado e compromete o círculo político do presidente. Vai ter efeitos", diz Mônica. Para ela, os oito votos a menos que a PEC do Teto recebeu entre a segunda e a primeira votação no Senado são o indício disso.

O economista Nelson Marconi, professor da Fundação Getúlio Vargas, concorda: "Você já não sabe o que vai acontecer no ano que vem, nem com o governo, nem com a reforma", diz ele. Marconi é a favor do corte de gastos, mas sempre foi contrário à PEC do Teto.

"Considero a proposta inviável porque, nos vários cálculos que fiz, impõe um aperto muito grande: mesmo com a reformada Previdência não vai durar nem dez anos", diz ele. O cenário sem a reforma, para ele, é pior: "Será o caos se, por causa da crise política, ainda por cima, não aprovarem a reforma da Previdência."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Acompanhe tudo sobre:Crise econômicaCrise políticaPEC do TetoReforma da Previdência

Mais de Economia

Governo avalia propostas para compensar desoneração da folha neste ano

Lula reclama de decisão do Banco Central sobre taxa de juros: ‘Uma pena que manteve’

Plano Real, 30 anos: Carolina Barros, do BC, e a jornada do Real ao Pix

Plano Real, 30 anos: dinheiro ainda é base de transações, mas 41% dos brasileiros preferem Pix

Mais na Exame