Economia

OCDE: 75% da população latino-americana tem pouca confiança nos governos

Segundo a OCDE, a crise entre a população e as instituições públicas na América Latina se agravou com a crise financeira mundial

OCDE: a organização afirma que a crise entre instituições e serviços públicos coloca em rico os avanços socioeconômicos dos últimos 15 anos (Arquivo/AFP/AFP)

OCDE: a organização afirma que a crise entre instituições e serviços públicos coloca em rico os avanços socioeconômicos dos últimos 15 anos (Arquivo/AFP/AFP)

A

AFP

Publicado em 9 de abril de 2018 às 16h03.

Última atualização em 9 de abril de 2018 às 16h04.

A relação entre cidadãos latino-americanos e suas instituições se deteriorou nos últimos anos, colocando em risco os avanços socioeconômicos recentes, alertaram nesta segunda-feira a OCDE e outros organismos internacionais em um relatório sobre a região.

"A falta de confiança se aprofundou desde a crise financeira mundial, de modo que a proporção da população latino-americana que tem pouca ou nenhuma confiança nos governos alcançou níveis próximos a 75% em 2017", aponta o relatório "Perspectivas Econômicas da América Latina 2018".

Esta desconfiança é cerca de 20 pontos superior à de 2006, segundo o documento da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE), A Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe (Cepal) e o Banco de Desenvolvimento da América Latina, em cooperação com a Comissão Europeia.

Exceto no sistema judiciário - no qual 34% dos cidadãos da América Latina e do Caribe disseram confiar em 2016 -, os indicadores de confiança nas instituições públicas recuaram no decênio 2006-2016 e ficaram abaixo dos registrados pela OCDE.

Apenas um em cada quatro latinos expressou, em 2016, sua confiança na honestidade das eleições. Apenas 15% achavam que seu governo estava afastado da corrupção e cerca de 29% confiavam no Executivo nacional.

"Esta desconexão crescente entre a cidadania e as instituições públicas (...) está colocando em risco os avanços socioeconômicos dos últimos 15 anos da região", alerta o relatório sobre instituições.

A insatisfação é causada pelas maiores aspirações de uma classe média crescente e pelos desafios ainda pendentes, como as "grandes desigualdades" entre os grupos socioeconômicos da região.

A perda de confiança nas instituições e nos serviços públicos também se reflete em uma disposição menor dos cidadãos para cumprir suas obrigações com o Estado. Em 2015, por exemplo, 52% estavam dispostos a sonegar impostos, se fosse possível (contra 46% em 2011).

Os autores do relatório sugerem aos países da América Latina e do Caribe "repensarem suas instituições (...) para responder melhor às necessidades e demandas da sociedade".

Incentivar uma maior integração comercial, fortalecer os sistemas de prestação de contas e aumentar a eficiência dos gastos públicos e a arrecadação de impostos são algumas das recomendações para alcançar uma renda mais elevada e melhores empregos, bem como Estados que prestam bons serviços.

Acompanhe tudo sobre:América LatinaOCDEPolíticaServiços

Mais de Economia

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Votação do Marco Regulatório do Hidrogênio deve ocorrer antes do recesso, diz Arnaldo Jardim

Opinião: Hidrogênio para a Neoindustrialização

Prévia do PIB: IBC-Br fica estável e fecha abril com variação de 0,01%, abaixo da expectativa

Mais na Exame