Não há razão para urgência em ação sobre dividendos da Petrobras, diz ministro do TCU

Em representação à Corte, o Ministério Público que atua junto ao TCU sugeriu, se o tribunal entendesse pertinente, a "imediata suspensão" da distribuição dos dividendos
Augusto Nardes: "Não há motivo para temor nem razões para a adoção de qualquer medida de urgência, de natureza cautelar" (Adriano Machado/Divulgação)
Augusto Nardes: "Não há motivo para temor nem razões para a adoção de qualquer medida de urgência, de natureza cautelar" (Adriano Machado/Divulgação)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 08/11/2022 às 15:04.

Última atualização em 08/11/2022 às 15:13.

Relator do pedido para apurar a distribuição de dividendos da Petrobras, o ministro Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União (TCU), afirmou não haver razão para adotar qualquer "medida de urgência" no caso. Em representação à Corte, o Ministério Público que atua junto ao TCU sugeriu, se o tribunal entendesse pertinente, a "imediata suspensão" da distribuição dos dividendos. A ação foi apresentada um dia após o conselho de administração da estatal aprovar o pagamento, calculado em R$ 43,68 bilhões.

Nardes, que ainda não despachou no processo, destacou que até a data do primeiro pagamento a Corte terá "tempo suficiente" para ouvir a Petrobras, "sanear os autos", analisar o mérito e verificar se procedem os fatos alegados na representação.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

"Não há motivo para temor nem razões para a adoção de qualquer medida de urgência, de natureza cautelar. A data prevista para o pagamento da primeira das duas parcelas dos dividendos referentes ao resultado do terceiro trimestre de 2022 da Petrobras é 20 de dezembro (a segunda deverá ser paga em 19 de janeiro de 2023)", afirmou o ministro do TCU.

A petição do MP que atua junto ao TCU foi assinada pelo subprocurador-geral Lucas Rocha Furtado.

Para ele, o TCU precisa avaliar a situação diante de possível risco à sustentabilidade financeira e esvaziamento da disponibilidade em caixa da estatal. "Ratifico minha preocupação no sentido de que possuo receio de que as eventuais distribuições possam comprometer a sustentabilidade financeira da Companhia no curto, médio e longo prazo, indo de encontro ao próprio Plano Estratégico da empresa", afirmou na peça apresentada na sexta-feira.

LEIA TAMBÉM: