A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Metade das empresas no Brasil "morre" após 4 anos no mercado

Segundo levantamento do IBGE, taxa de sobrevivência das empresas que entraram em atividade em 2009 cai a cada ano que passa

São Paulo - Mais da metade das empresas brasileiras não consegue sobreviver no mercado após quatro anos, revelou o estudo "Demografia das Empresas 2013", divulgado nesta sexta-feira (4) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística),

De acordo com o levantamento feito com base no ano de 2013, a taxa de sobrevivência das empresas que entraram em atividade em 2009 cai a cada ano que passa.

Do total de 694,5 mil empresas que nasceram em 2009, 536,6 mil (ou 77,3%) sobreviveram em 2010. Já no ano seguinte, este número caiu para 452,5 mil, ou 65,2%.

Em 2012, o número de sobreviventes foi para 387,4 mil, ou 55,8%. Em 2013, quatro anos depois, restaram apenas 329,9 mil empresas sobreviventes no mercado brasileiro, ou 47,5% do total quatro anos atrás.

Segundo o IBGE, a taxa de sobrevivência tem uma relação direta com a faixa de pessoal ocupado na organização.

"Empresas maiores tendem a apresentar taxas mais altas de sobrevivência. Nas faixas menores existem grandes movimentos de entrada e saída e consequentemente taxas mais baixas de sobrevivência."

Após quatro anos de entrada no mercado, a sobrevivência das empresas sem funcionários foi de 40,9%, enquanto das faixas de um a nove funcionários, foi de 69,1%. Já aquelas companhias que contrataram mais de 10 pessoas, o índice de sobrevivência foi de 76,7%.

Distinção de gênero persiste

O estudo do IBGE mostra ainda que há muito mais homens trabalhando do que mulheres. Do total assalariado em 2013, 62,3% eram homens e apenas 37,7% eram mulheres.

Quanto aos salários, os homens continuam ganhando mais. O salários médios mensais das empresas de alto crescimento foram de R$ 2.085,34 para os homens e de R$ 1.521,61, para as mulheres - o que representa uma diferença de 37%.

No total de empresas, o salário médio mensal foi de R$ 2.118,66 para os homens e R$ 1.507,69 para as mulheres. Uma distinção de 40,5%.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também