Mantega afasta consequências políticas com poupança

Para o ministro, a proposta recebeu apoio de lideranças partidárias, centrais sindicais e grandes empresários

Brasília – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse hoje (3) que as mudanças na remuneração da poupança não terão consequências políticas e que a proposta recebeu apoio de lideranças partidárias, centrais sindicais e grandes empresários.

“É importante para o governo fazer as reformas necessárias para o país, para que possamos continuar a ter bom desenvolvimento e crescimento sustentável. Não é a política que nos pauta. Sabemos que a população quer mais emprego, juros mais baixos e é isso que nos pauta”, disse Mantega ao anunciar a mudança.

O critério atual de remuneração da poupança – de 6,17% ao ano mais variação da taxa referencial (TR) – vai ser substituído pela variação da TR mais 70% da Selic, quando a taxa básica de juros chegar a 8,5% ao ano ou menos. Atualmente, a Selic está fixada em 9% ao ano.

A alteração valerá apenas para os depósitos feitos a partir da edição da medida provisória, o que ocorrerá amanhã (4). Assim, quem tem uma caderneta de poupança terá o saldo corrigido de duas formas: pelo rendimento tradicional, para o dinheiro guardado até hoje e pela nova regra, para os futuros depósitos.

Segundo Mantega, as mudanças, que serão editadas por medida provisória e entrarão em vigor nesta sexta, foram discutidas com lideranças partidárias e representantes sindicais e do empresariado. A medida, de acordo com ele, recebeu apoio dos setores consultados. “Não houve nenhuma voz dissonante que disse que era inoportuno fazer isso, mesmo estando em ano eleitoral. Não houve nenhuma crítica à medida. Houve sugestões, recomendações, mas nenhuma crítica”, disse o ministro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.