Economia

Lira garante que votação da reforma tributária será feita semana que vem

Presidente da Câmara afirmou ao "O Globo" que o calendário não mudou, mesmo diante de agenda apertada de votações

Lira: "O calendário está mantido"  (Lula Marques/Agência Brasil)

Lira: "O calendário está mantido" (Lula Marques/Agência Brasil)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 29 de junho de 2023 às 18h15.

Última atualização em 29 de junho de 2023 às 18h26.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) afirmou ao "O Globo" que a votação da reforma tributária está mantida para a semana que vem. A afirmação vem depois de reclamações de governadores sobre o texto.

"O calendário está mantido", disse Lira.

A agenda da semana que vem, porém, está cheia. Além da tributária, serão votados o arcabouço fiscal e o PL do Carf. Obrigatoriamente, a Câmara precisa iniciar com a votação do Carf, que travou a pauta na semana passada.

Otimismo de Lira

O otimismo de Lira não é corroborado pelo Ministério da Fazenda. Integrantes da pasta já contam com um atraso no calendário da votação da tributária entre os dias 10 e 14 de julho. Eles ressaltam que a concentração das articulações estarão no Carf e arcabouço e não veem problema em deixar os esforços para a reforma tributária para a segunda semana do mês.

Estados como São Paulo e Rio Janeiro reclamam da composição do Conselho Federativo, que vai redistribuir a arrecadação do imposto sobre bens e serviços (IBS), de nível subnacional. Eles são contra uma arrecadação centralizada.

Deputados que trabalham na elaboração da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) afirmam, no entanto, que deixar a arrecadação a cargo de cada estado iria ferir um dos princípios centrais da reforma: a não cumulatividade de impostos

Acompanhe tudo sobre:Arthur LiraReforma tributáriaeconomia-brasileira

Mais de Economia

Dirigente do banco central europeu fala que corte foi decisão essencial

Haddad afirma que decreto da meta de inflação contínua será publicado em junho

Exclusivo: CMN acabará com restrições para fundos de pensão investirem em imóveis

Relação do empresariado com Haddad “esgarçou”, dizem empresários

Mais na Exame