Economia

Inquérito sobre joint venture Rio Tinto-BHP é prorrogado

Bruxelas - Autoridades australianas e europeias decidiram prorrogar o inquérito antitruste sobre a joint venture planejada pelas mineradoras australianas BHP Billiton e Rio Tinto. Tanto o Bundeskartellamt, órgão de defesa da concorrência da Alemanha, quanto a Comissão Australiana para Consumidores e Concorrência informaram hoje que estenderam suas investigações sobre a proposta das duas mineradoras de […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de maio de 2011 às 14h13.

Bruxelas - Autoridades australianas e europeias decidiram prorrogar o inquérito antitruste sobre a joint venture planejada pelas mineradoras australianas BHP Billiton e Rio Tinto. Tanto o Bundeskartellamt, órgão de defesa da concorrência da Alemanha, quanto a Comissão Australiana para Consumidores e Concorrência informaram hoje que estenderam suas investigações sobre a proposta das duas mineradoras de combinar suas operações de minério de ferro na região de Pilbara, no estado da Austrália Ocidental.

A secretaria alemã agora quer decidir até o dia 13 de outubro se libera ou não a joint venture. "Nós precisamos de mais tempo para analisar os mercados relevantes", disse o porta-voz do Bundeskartellamt, Kay Weidner. As autoridades australianas, por sua vez, vão investigar a joint venture até o dia 22 de julho, porque só receberam toda a informação necessária das empresas no começo de junho.

A Comissão Europeia, que também está investigando a proposta de aliança, disse que não comentaria sobre prazos, acrescentando apenas que "as investigações continuam". Mas Amélia Torres, uma porta-voz do setor de concorrência da Comissão, disse que o órgão está em contato "muito próximo com o escritório alemão de cartéis".

Pessoas próximas ao assunto disseram que a Comissão não deverá chegar a uma decisão sobre a joint venture antes das autoridades alemãs. A principal razão para a prorrogação do prazo foi a demora das empresas em fornecer todos os documentos necessários às autoridades antitruste. A posição da autoridade reguladora da União Europeia é vista como o maior obstáculo potencial para a joint venture, que não foi aprovada da forma como foi proposta inicialmente, em 2008.

A Comissão Europeia abriu a investigação antitruste sobre o acordo em janeiro, citando preocupações de que ele poderia ter efeitos prejudiciais na concorrência de preços no mercado mundial de minério de ferro transportado por mar. A Rio Tinto e a BHP são, respectivamente, a segunda e a terceira maiores produtoras de minério de ferro do mundo, perdendo apenas para a brasileira Vale.

Hoje, as duas empresas disseram que concordam em pagar royalties mais altos nas operações de Pilbara, o que analistas dizem que é uma medida que visa ganhar apoio do governo australiano para a joint venture. As mineradoras também podem usar a mudança nos royalties para impulsionar sua campanha contra o plano do governo federal de implantar um imposto de 40% sobre lucros extraordinários, argumentando que já estão pagando uma contribuição justa em impostos e royalties.

Com o acordo, os royalties vão subir para 5,625% sobre a receita com as vendas de minério de ferro fino, de 3,75% anteriormente, enquanto a taxa para os torrões de minério de ferro subiria para 7,5%. As informações são da Dow Jones.

Acompanhe tudo sobre:BHP BillitonEmpresasEmpresas inglesasEuropaIndústriaMineraçãoRegulamentaçãoRio TintoSiderurgia e metalurgiaUnião Europeia

Mais de Economia

Haddad diz que Brasil é uma “encrenca”, mas que tem potencial de ser “grande”

Brasil está pronto para acordo Mercosul e União Europeia, diz Lula

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Votação do Marco Regulatório do Hidrogênio deve ocorrer antes do recesso, diz Arnaldo Jardim

Mais na Exame