Acompanhe:

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta segunda-feira, 6, que há no Brasil um desafio de curto prazo para “arrumar a casa”.  Segundo ele, há espaço para o país crescer “com uma gordura monetária para queimar”, mas isso depende da harmonia entre o Executivo, o Legislativo e o Judiciário para que as partes “não tomem decisões erradas”. As declarações foram feitas durante o evento Macro Day, organizado pelo BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da Exame).

“Estamos no momento de fazer a economia crescer com uma gordura monetária para queimar. Temos espaço para ter juros civilizados no Brasil com um compromisso dos três Poderes. Não falo isso para provocar, mas é preciso de parceria entre os Três Poderes. O resultado fiscal não vem da cabeça do ministro da Fazenda e do presidente da República", disse. "Legislativo, Judiciário e Executivo têm que entender a repercussão das suas decisões. É necessária harmonia entre os poderes para que a gente não tome decisões erradas à luz de uma confusão conceitual. Quanto mais bem informada a sociedade estiver, melhor a qualidade da decisão e menos risco teremos.”

Erosão da arrecadação federal

Haddad também alertou que enquanto a economia brasileira deve crescer 3% em 2023, a arrecadação deve registrar aumento de até 1%. Segundo ele, isso decorre da erosão da arrecadação federal de impostos, impactada por decisões do Judiciário.

A principal foi a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que retirou o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da base de cálculo de PIS e Cofins, o que gerou créditos bilionários a empresas, que, segundo Haddad, vem sendo abatidos do fluxo de arrecadação. A decisão é retroativa a 2017.

"Essa decisão gerou um estoque de dívida que não está sendo pago como precatório, mas tem sido abatido do fluxo de arrecadação", disse.

Reforma tributária

Durante o evento, o ministro da Fazenda também defendeu a aprovação da reforma tributária, que aguarda votação do Senado. Segundo ele, estudo do Banco Mundial que avaliou o sistema tributário de 190 países e o Brasil ficou na posição 184.

“Só tem seis sistemas tributários piores que o nosso no mundo. Nosso sistema é caótico. Pela ótica do ideal, a reforma tributária que chega é 7,5. Mas o país está saindo da nota 2. Imagina a possiblidade que garantir previsibilidade ao contribuinte e para o gestor público”, declarou.

O que esperar da reforma tributária? O relator conta

Na semana passada, a EXAME conversou com o relator da reforma tributária no Senado, Eduardo Braga. Confira a entrevista no vídeo abaixo:

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Exportações chinesas ganham velocidade apesar de Ano Novo Chinês
Economia

Exportações chinesas ganham velocidade apesar de Ano Novo Chinês

Há 10 horas

Grandes bancos dos EUA reclamam de critérios do Fed divulgados para teste de estresse
Economia

Grandes bancos dos EUA reclamam de critérios do Fed divulgados para teste de estresse

Há 12 horas

Carnaval eleva vendas na cidade de SP entre 8% e 10% ante mesmo período de 2023, diz ACSP
Economia

Carnaval eleva vendas na cidade de SP entre 8% e 10% ante mesmo período de 2023, diz ACSP

Há 15 horas

BC dos EUA testará 32 bancos em cenário hipotético de recessão severa
Economia

BC dos EUA testará 32 bancos em cenário hipotético de recessão severa

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais