Governo paga primeira parcela de R$15 bi de socorro a estados e municípios

Apenas cinco cidades não receberam ajuda, pois não forneceram dados necessários ao Tesouro. Próxima parcela será paga em 13 de julho

Após mais de 70 dias de promessa, o governo pagou a primeira parcela do socorro de estados e municípios nesta terça-feira. O montante de R$ 15 bilhões foi pago aos 26 estados mais distrito federal, além de municípios. Apenas cinco cidades não receberam a ajuda financeira, por não terem enviado dados necessários ao Tesouro Nacional.

O socorro total será de R$ 60 bilhões e será pago em quatro parcelas. Para receber a ajuda financeira, estados e municípios devem se comprometer a não entrar com ações contra a União. As demais parcelas seguirão o seguinte calendário:

  • Segunda parcela: 13 de julho;
  • Terceira parcela: 12 de agosto;
  • Quarta parcela: 11 de setembro;

    O socorro foi aprovado pelo Congresso no início do mês passado e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro apenas no último dia disponível para a ação, no dia 27. A lei também proíbe aumentos salariais para servidores públicos até 2021.

    Além da transferência de R$ 60 bilhões, o governo suspendeu as dívidas de estados e municípios com a União, inclusive os débitos previdenciários parcelados pelas prefeituras e que venceriam este ano.

    Espera! Tem um presente especial para você.

    Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

    Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

    exame digital

    R$ 15,90/mês

    R$ 6,36/mês

    • Acesse onde e quando quiser.

    • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
    Assine

    exame digital + impressa

    R$ 44,90/mês

    R$ 40,41/mês

    • Acesse onde e quando quiser

    • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

    • Edição impressa quinzenal.

    • Frete grátis
    Assine

    Já é assinante? Entre aqui.

    Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.