Acompanhe:

FGV diz que câmbio ajudou a desacelerar alta do IGP-DI

Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) de abril foi beneficiado por câmbio, diz superintendente adjunto de Inflação da FGV, Salomão Quadros.

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Manufatura: "O câmbio está produzindo seus efeitos", afirmou Quadros. Principal evidência, segundo ele, é desaceleração de preços de materiais para manufatura
 (Paulo Fridman/Bloomberg)

Manufatura: "O câmbio está produzindo seus efeitos", afirmou Quadros. Principal evidência, segundo ele, é desaceleração de preços de materiais para manufatura (Paulo Fridman/Bloomberg)

I
Idiana Tomazelli

Publicado em 7 de maio de 2014 às, 15h29.

Rio - Além da desaceleração de boa parte dos preços agropecuários no atacado, o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) de abril foi beneficiado pelo câmbio, na avaliação do superintendente adjunto de Inflação da Fundação Getulio Vargas (FGV), Salomão Quadros.

Os efeitos da valorização do real ante o dólar também ajudaram a trazer a taxa para 0,45% no mês passado, ante 1,48% na apuração de março.

O impacto do câmbio ficou concentrado principalmente nos bens intermediários. "O câmbio está produzindo seus efeitos", afirmou Quadros.

A principal evidência, segundo ele, é a desaceleração dos preços de materiais para a manufatura, sensíveis à cotação da moeda americana.

Em abril, esse conjunto de produtos registrou queda de 0,70% nos preços, após alta de 0,93% em março.

A indústria química, também influenciada pelo dólar, foi outra a registrar deflação, de 0,08% em abril, ante alta de 0,43% no mês anterior.

Os itens ligados à categoria de celulose papel e produtos de papel também desaceleraram, de 0,63% para 0,20%.

Apesar disso, o alívio nos bens intermediários (0,69% para -0,12%) não se deveu apenas à valorização do real.

"No caso de derivados de petróleo e álcool, há outra razão muito mais importante, que é a safra de cana-de-açúcar", observou Quadros.

Com o preço da matéria-prima em queda, produtores industriais pagaram mais barato e já há, inclusive, repasse para o consumidor nos preços da gasolina (0,84% para 0,48%) e do etanol (2,35% para 1,36%).

Por outro lado, produtos em outros estágios de processamento, como o minério de ferro, também sentiram a influência positiva do dólar mais barato.

O item intensificou a queda, de -1,62% em março para -4,39% em abril.

"O preço do minério de ferro vem caindo, mas tem um efeito de redução também pelo câmbio", explicou Quadros.

Para os próximos IGPs, o superintendente espera que o dólar ajude a manter os preços estabilizados.

Últimas Notícias

Ver mais
Arrecadação federal chega a R$ 280 bilhões em janeiro, maior valor mensal em 24 anos
Economia

Arrecadação federal chega a R$ 280 bilhões em janeiro, maior valor mensal em 24 anos

Há 3 horas

Brasil levará teses inéditas ao G20 na área financeira, diz Haddad
Economia

Brasil levará teses inéditas ao G20 na área financeira, diz Haddad

Há 4 horas

Com previsão de R$ 18,2 bilhões em investimentos, 1º leilão de transmissão de 2024 será em março
Economia

Com previsão de R$ 18,2 bilhões em investimentos, 1º leilão de transmissão de 2024 será em março

Há 5 horas

Conversa com Lula deliberou pedido de Pacheco para desmembrar MP da reoneração, diz Haddad
Economia

Conversa com Lula deliberou pedido de Pacheco para desmembrar MP da reoneração, diz Haddad

Há 6 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais