FGTS é importante para enfrentar mazelas da covid-19, diz secretário

Governo tem sinalizado com a possibilidade de novos saques para injetar dinheiro na economia num momento de desaceleração

Secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues. (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues. (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 20 de março de 2020 às 17h46.

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é um "elemento importante" para contribuir no enfrentamento das mazelas trazidas pela covid-19, nome do novo coronavírus, disse nesta sexta-feira, 20, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues.

O governo tem sinalizado com a possibilidade de novos saques do fundo de garantia dos trabalhadores para injetar dinheiro na economia num momento de desaceleração.

Segundo ele, o repasse de R$ 21,5 bilhões que hoje estão parados no Fundo PIS/Pasep para o FGTS contribuirá para garantir essa liberação.

O secretário lembrou que R$ 14,8 bilhões do saque imediato lançado no ano passado ainda não foram resgatados pelos beneficiários. "Podemos pensar em como isso pode ser reinserido na economia", disse Waldery.

Em outra ocasião, integrantes da equipe econômica já indicaram para a possibilidade de, ao permanecer esse saldo no FGTS, promover uma nova liberação sem comprometer a sustentabilidade do fundo.

O secretário ressaltou ainda que o governo já anunciou a possibilidade de as empresas adiarem por três meses o recolhimento ao FGTS.

Ele destacou ainda que as companhias terão um tempo maior para ressarcir o fundo por esses valores, em prestações que poderão passar inclusive para 2021. "Esse 'X' meses não foi divulgado exatamente porque levará em consideração sustentabilidade financeira", disse.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusFGTS

Mais de Economia

Segurança no Brasil tem impacto no prêmio de risco, diz Campos Neto

Prates afirma que não há crise na Petrobras e que tem boa relação com Lula e Silveira

Demanda por diesel sobe 8,7% no 1º bimestre, mas deve perder força no semestre, diz EPE

Se incerteza continuar alta, BC tem de trabalhar no ritmo de cortes, afirma Campos Neto

Mais na Exame