EUA: vagas de trabalho saltam em janeiro; taxa de desemprego sobe para 4%

A paralisação mais longa da história, que terminou há uma semana, elevou a taxa de desemprego para a máxima de sete meses , equivalente a 4 por cento

Washington - A criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos saltou em janeiro para o ritmo mais forte em 11 meses, indicando força na economia apesar da perspectiva sombria que deixou o Federal Reserve cauteloso sobre os novos aumentos dos juros neste ano.

O relatório mensal do Departamento do Trabalho divulgado nesta sexta-feira não mostrou nenhum impacto "visível" na criação de vagas de trabalho após 35 dias de paralisação parcial do governo dos EUA. Mas a paralisação mais longa da história, que terminou há uma semana, elevou a taxa de desemprego para a máxima de sete meses de 4 por cento.

A criação de vagas de trabalho for a do setor agrícola atingiu 304 mil no mês passado, ritmo mais forte desde fevereiro de 2018, informou o Departamento de Trabalho. O ritmo foi influenciado por locais de construção, varejistas e serviços empresariais, bem como restaurantes e hotéis.

Economistas consultados pela Reuters previam criação de 165 mil postos de trabalho em janeiro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.