Acompanhe:

EPE defende voltar a construir hidrelétricas "sem mimimi"

Presidente da Empresa de Pesquisa Energética defendeu a retomada da construção de hidrelétricas "sem mimimi"

Modo escuro

Continua após a publicidade
Hidrelétrica: nos últimos anos, governo passou a evitar a construção devido ao alto impacto ambiental (Divulgação/Divulgação)

Hidrelétrica: nos últimos anos, governo passou a evitar a construção devido ao alto impacto ambiental (Divulgação/Divulgação)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 1 de dezembro de 2016 às, 13h51.

Rio - O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Luiz Augusto Barroso, defendeu a retomada da construção de usinas hidrelétricas como um meio de aumentar a produção de energia com baixa emissão de carbono.

Nos últimos anos, o governo passou a evitar a construção de hidrelétricas, principalmente com grandes reservatórios, por conta dos impactos sociais e ambientais desse tipo de projeto, sobretudo, na região Norte do País.

Mas, à frente da EPE há quatro meses, Barroso indicou a intenção de rever a estratégia para o setor.

"O Brasil vai migrar para uma economia de baixo carbono, que vai demandar um respaldo da geração (de energia) flexível. Essa matriz flexível a gente tem que buscar onde? Eu gostaria muito de buscar nas hidrelétricas. As hidrelétricas com capacidade de armazenamento são a fonte que permitiu a inserção sustentável da energia renovável no Brasil", afirmou Barroso, em palestra no Fórum de Energia, promovido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Ele argumentou que as fontes solar e eólica dependem das hidrelétricas para compor a matriz energética. "Então, a batalha das hidrelétricas é a batalha das renováveis. E nós vamos buscar essa discussão com a sociedade. Vamos colocar as hidrelétricas de novo no mapa do planejamento para tomar uma decisão pragmática. Vai ser a decisão sem mimimi", acrescentou.

Quando a construção de hidrelétricas não for possível, o planejador vai considerar a alternativa térmica inflexível, segundo Barroso.

Durante a palestra, o presidente da EPE ainda destacou o desafio do setor em buscar financiamento para os projetos, que, em sua opinião, não deve ser garantido exclusivamente pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

"A financiabilidade será onde o Brasil precisar melhorar. E financiabilidade é uma questão de risco. Risco é uma questão de credibilidade, que é uma questão de segurança, previsibilidade, transparência e sinal econômico. Nestes últimos a gente vem trabalhando", disse.

Últimas Notícias

Ver mais
Nunes vai a Brasília para reunião sobre Enel com ministro de Minas e Energia
Brasil

Nunes vai a Brasília para reunião sobre Enel com ministro de Minas e Energia

Há um dia

Vale (VALE3) antecipa em 2 anos meta de 100% de consumo de energia renovável no Brasil
seloMercados

Vale (VALE3) antecipa em 2 anos meta de 100% de consumo de energia renovável no Brasil

Há um dia

G20 Brasil: Silveira cobra cumprimento de acordo de U$ 100 bi/ano para transição energética
Brasil

G20 Brasil: Silveira cobra cumprimento de acordo de U$ 100 bi/ano para transição energética

Há um dia

Uso de energia exigido pela IA acende alerta vermelho
Tecnologia

Uso de energia exigido pela IA acende alerta vermelho

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais