A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Economia da zona do euro se aprofunda em recessão

O resultado marca o primeiro ano desde 1995 para o bloco monetário em que nenhum trimestre apresenta crescimento

Berlim/Paris - A zona do euro aprofundou-se em recessão nos últimos três meses de 2012 após as duas maiores economias do bloco, Alemanha e França, terem encolhido no período.

O resultado marca o primeiro ano desde 1995 para o bloco monetário em que nenhum trimestre apresenta crescimento.

O Produto Interno Bruto (PIB) nos 17 países da zona do euro recuou 0,6 por cento no quarto trimestre, informou a agência de estatísticas da UE, Eurostat, após uma queda de 0,1 por cento no terceiro trimestre.

A queda foi a mais acentuada desde o primeiro trimestre de 2009 e pior do que a previsão média de uma queda de 0,4 por cento em uma pesquisa da Reuters com 61 economistas.

Para o ano como um todo, o PIB caiu 0,5 por cento.

Dentro da zona do euro, apenas a Estônia e a Eslováquia cresceram no último trimestre do ano, apesar de não existirem dados disponíveis ainda para a Irlanda, Luxemburgo, Malta e Eslovénia.

As grandes economias definiram o tom. A Alemanha teve contração de 0,6 por cento no trimestre, mostraram dados oficiais, marcando o pior desempenho desde o auge da crise financeira global em 2009. Já a França registrou retração de 0,3 por cento, também pior do que as expectativas.


Enquanto isso, a economia da Itália encolheu 0,9 por cento no quarto trimestre --sexto recuo trimestral consecutivo--, numa queda maior do que a de 0,6 por cento esperado pelo mercado, segundo pesquisa da Reuters com analistas.

O desempenho das exportações da Alemanha --o motor de sua economia --foi a principal causa do encolhimento do Produto Interno Bruto do país.

"No último trimestre de 2012, as exportações de bens diminuíram significativamente mais do que as importações de bens", informou a agência de estatísticas alemã em comunicado.

As revisões dos dados franceses mostraram que a produção do país caiu 0,1 por cento no primeiro e no segundo trimestres de 2012, ou seja, o país já experimentou um surto de recessão nos últimos doze meses.

O primeiro-ministro francês, Jean-Marc Assault, reconheceu pela primeira vez na quarta-feira que o crescimento fraco estava colocando a meta de seu governo para o déficit de 2013 fora de alcance.

Economistas dizem que a zona do euro também pode encolher no primeiro trimestre de 2013, embora a Alemanha esteja mais resistente e deva se recuperar.

"As chances de que a economia (alemã) vai voltar a crescer no início deste ano são muito boas. Os primeiros indicadores estão todos apontando para cima", disse a economista-chefe do UniCredit, Andrea Reese.

"A questão é o quão forte o primeiro trimestre será. Esperamos um crescimento de 0,3 por cneto, mas pode ser mais."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também