Economia

Contas públicas têm déficit de R$ 48,7 bilhões em fevereiro, pior resultado para o período

Equipe econômica adiantou para fevereiro o pagamento de R$ 30 bilhões em precatórios, com impacto no balanço do mês

Os dados foram atualizados pelos BC nesta sexta-feira; em fevereiro de 2023, o saldo negativo foi de R$ 26,5 bilhões (Rmcarvalho/Getty Images)

Os dados foram atualizados pelos BC nesta sexta-feira; em fevereiro de 2023, o saldo negativo foi de R$ 26,5 bilhões (Rmcarvalho/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 5 de abril de 2024 às 10h25.

Última atualização em 5 de abril de 2024 às 10h44.

As contas do setor público consolidado, formado por governo federal, estados, municípios e empresas estatais (com exceção de instituições financeiras e a Petrobras), fecharam o mês de fevereiro com um déficit de R$ 48,7 bilhões. É o pior resultado para o período desde 2001, início da série histórica do Banco Central do Brasil.

Os dados foram atualizados pelos BC nesta sexta-feira. Em fevereiro de 2023, o saldo negativo foi de R$ 26,5 bilhões. A conta considera o chamado resultado primário (diferença entre receitas e despesas, sem considerar o pagamento de juros).

Por que é o pior resultado?

A explicação para esse desempenho é a fatura do governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central), com déficit primário (despesa acima da receita) de R$ 57,8 bilhões, compensando em parte pelo superávit (receita acima da despesa) dos governos regionais e das empresas estatais, de R$ 8,6 bilhões R$ 483 milhões, respectivamente.

O Ministério da Fazenda, comandado por Fernando Haddad, cita um "fator atípico" para o mês, com antecipação do pagamento de precatórios do exercício de 2024, com efeito em cerca de R$ 30 bilhões. Ou seja, a equipe econômica adiantou para um único mês o pagamento dessas dívidas previstas ao longo do ano. A justificativa para isso foi gastar menos com juros e correção monetária.

Os precatórios são valores devidos a empresas e pessoas físicas após sentenças judiciais transitadas em julgado (decisões definitivas sem possibilidade de recursos) em processos contra a União ou suas entidades (autarquias e fundações federais).

Janeiro

O resultado de fevereiro vem de um cenário positivo no mês anterior. O resultado primário foi superavitário em R$ 102,1 bilhões em janeiro de 2024, ante superávit de R$ 99,0 bilhões no mesmo mês de 2023. Foi o melhor resultado da séria histórica do Banco Central para o período.

No primeiro mês do ano, o governo central e os governos regionais registraram superávits respectivos de R$ 81,3 bilhões e de R$ 22,5 bilhões, e as empresas estatais, déficit de R$ 1,7 bilhão.

A principal razão desse desempenho foi o aumento da arrecadação de impostos e contribuições federais, que bateu recorde, em uma combinação de receitas atípicas, medidas encaminhadas pelo Ministério da Fazenda, e mercado de trabalho e PIB em alta.

Dívida em relação ao PIB

A dívida bruta — calculada com base nas contas do governo federal, INSS, governos estaduais e municipais — atingiu 75,5% do PIB ou R$ 8,3 trilhões) em fevereiro de 2024. Houve aumento de 0,4 ponto percentual em relação ao mês anterior.

Considerado o mais importante indicador de solvência do governo, a dívida bruta voltou a subir em 2023, depois de dois anos em queda. A conta chegou a 74,3% do PIB em 2023, primeiro ano do governo Luiz Inácio Lula da Silva. O crescimento foi de 2,7 pontos percentuais na comparação com dezembro de 2022.

Acompanhe tudo sobre:Banco CentralDívida públicaPIB

Mais de Economia

Após pedido do governo, Zanin suspende liminar que reonera a folha de pagamentos por 60 dias

Haddad: governo anuncia na próxima semana medidas sobre impacto e compensação da desoneração

Fiergs pede ao governo Lula flexibilização trabalhista e novas linhas de crédito ao RS

É possível investir no exterior morando no Brasil?

Mais na Exame