• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,48 -0.36
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,39 17.07
  • AESB3 R$ 10,75 1.03
  • AGRO3 R$ 31,90 -0.50
  • ALPA4 R$ 21,67 -0.60
  • ALSO3 R$ 19,95 1.32
  • ALUP11 R$ 26,22 -0.11
  • AMAR3 R$ 2,39 7.17
  • AMBP3 R$ 29,33 -1.41
  • AMER3 R$ 23,71 2.86
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,57 3.53
  • ARZZ3 R$ 82,40 -0.11
  • ASAI3 R$ 15,43 -0.32
  • AZUL4 R$ 21,21 2.56
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,48 -0.36
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,39 17.07
  • AESB3 R$ 10,75 1.03
  • AGRO3 R$ 31,90 -0.50
  • ALPA4 R$ 21,67 -0.60
  • ALSO3 R$ 19,95 1.32
  • ALUP11 R$ 26,22 -0.11
  • AMAR3 R$ 2,39 7.17
  • AMBP3 R$ 29,33 -1.41
  • AMER3 R$ 23,71 2.86
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,57 3.53
  • ARZZ3 R$ 82,40 -0.11
  • ASAI3 R$ 15,43 -0.32
  • AZUL4 R$ 21,21 2.56
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Conta de luz mais cara: Aneel mantém bandeira vermelha 2 em agosto

O patamar é o mais caro do sistema de bandeiras tarifárias
 (Getty Images/Brunorbs)
(Getty Images/Brunorbs)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 30/07/2021 21:44 | Última atualização em 30/07/2021 21:44Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou nesta sexta-feira, 30, que as contas de luz vão continuar com a bandeira vermelha em seu segundo patamar em agosto. A decisão significa que os consumidores vão continuar pagando uma taxa adicional de R$ 9,49 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) nas contas de luz. O patamar é o mais caro do sistema de bandeiras tarifárias.

Segundo a agência reguladora, as afluências, ou seja, a quantidade de água que chega nas principais bacias hidrográficas do sistema elétrico em julho, "continuam entre as mais críticas" da série histórica. As perspectivas são de que a situação seja semelhante em agosto.

"Agosto inicia-se com igual perspectiva hidrológica, com os principais reservatórios do SIN em níveis consideravelmente baixos para essa época do ano. Essa conjuntura sinaliza horizonte com reduzida capacidade de produção hidrelétrica e necessidade de acionamento máximo dos recursos termelétricos", diz a nota.

É o terceiro mês consecutivo em que a bandeira vermelha 2 é acionada devido ao aumento nos custos de geração de energia. Diante dos baixos níveis dos reservatórios das hidrelétricas, o governo autorizou o maior uso de termelétricas para garantir o abastecimento no País. O Ministério de Minas e Energia (MME) estima que o uso dessas usinas deve custar R$ 13,1 bilhões até novembro.

A situação levou a agência a reajustar o valor da taxa adicional paga pelos consumidores via conta de luz. Em 29 de junho, a diretoria da Aneel aprovou um aumento de 52% na taxa da bandeira vermelha 2 - que passou de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kWh.

O valor, porém, pode ser ainda mais alto nos próximos meses. O órgão analisa uma proposta que prevê que a taxa cobrada na bandeira vermelha patamar 2 pode chegar até R$ 11,50. A decisão final será da diretoria colegiada do órgão, que ainda não tem previsão para analisar o processo.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 e sinaliza ao consumidor o custo da geração de energia elétrica no País. Na prática, as cores e modalidades - verde, amarela ou vermelha - indicam se haverá ou não cobrança extra nas contas de luz.

A bandeira verde, quando não há cobrança adicional, significa que o custo para produzir energia está baixo. O acionamento das bandeiras amarela e vermelha representa um aumento no custo da geração e a necessidade de acionamento de térmicas, o que está ligado principalmente ao volume dos reservatórios e das chuvas.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importante em tempo real.