Economia

Comissão definirá se PMs serão incluídos em PL dos militares, diz Marinho

Proposta prevê uma economia líquida de pelo menos R$ 10,45 bilhões

Rogério Marinho, secretário de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia (Adriano Machado/Reuters)

Rogério Marinho, secretário de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia (Adriano Machado/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 29 de agosto de 2019 às 13h05.

Última atualização em 29 de agosto de 2019 às 18h21.

O secretário de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia Rogério Marinho, afirmou que a inclusão dos policiais militares e bombeiros no projeto de lei que aperta as regras de aposentadoria das Forças Armadas e sinaliza para a manutenção dos reajustes e gratificações concedidos à carreira dependerá de uma decisão política da Comissão Especial que analisa o texto.

"Para que policiais militares sejam incluídos, é necessário que o Parlamento discuta isso. Acredito que cada parlamentar aqui, que representa alguma categoria, tem legitimidade de apresentar sugestão de mudança e o relator vai levar em consideração. Vamos aguardar o processo", disse o secretário, que participou pela manhã de uma audiência pública na Comissão Especial da Câmara que analisa a proposta.

Na sua explanação inicial, o secretário detalhou os principais pontos do projeto e argumentou que a reestruturação da carreira, ponto criticado da proposta, possibilitará a manutenção dos militares na ativa por mais tempo. "Houve no início uma crítica muito forte de que o governo estaria privilegiando de alguma maneira a carreira das Forças Armadas", disse.

A proposta prevê uma economia líquida de pelo menos R$ 10,45 bilhões em uma década, valor que sobra da reforma após descontar o impacto dos aumentos para os militares. O secretário responde, neste momento, a perguntas dos integrantes da comissão.

Acompanhe tudo sobre:economia-brasileiraMilitaresReforma da Previdência

Mais de Economia

Exclusivo: Sky fecha parceria com Amazon para vender internet por satélite no Brasil

STF decide que Receita não pode cobrar tributação do terço de férias antes de agosto de 2020

Análise: Haddad precisa de uma vitória política

TCU aprova contas do governo Lula em 2023, mas aponta distorções de R$ 20 bi

Mais na Exame