Acompanhe:

Comércio ilegal é segunda maior economia do mundo

Falsificações, contrabando e venda ilegal respondem por 8% a 15% do PIB global, o equivalente ao PIB da China, segundo relatório da Euromonitor

Modo escuro

Continua após a publicidade
Bolsas falsificadas no bairro de Chinatown, em Nova York: versão original chega a custar 100 vezes mais (Michael Nagle/Bloomberg News)

Bolsas falsificadas no bairro de Chinatown, em Nova York: versão original chega a custar 100 vezes mais (Michael Nagle/Bloomberg News)

J
João Pedro Caleiro

Publicado em 9 de outubro de 2015 às, 07h00.

São Paulo - O valor do comércio ilegal é de 8% a 15% da economia mundial, de acordo com um estudo recente da consultoria Euromonitor assinado por Philip Buchanan e Lourdes Chavarria.

A estimativa mais alta bate nos US$ 12 trilhões em 2014, mesmo tamanho do PIB da China, a segunda maior economia mundial.

Em 2013, 2,3 bilhões de produtos farmacêuticos e 470 milhões de produtos eletrônicos foram confiscados ao redor do mundo. Só nos EUA, mais de US$ 1,7 bilhão em falsificação foi retido na fronteira no mesmo ano. 

Comércio ilegal é definido como a "produção, importação, exportação, venda e compra de bens que não sigam a legislação atual em alguma jurisdição específica".

Entram aí desde a venda de medicamentos vencidos até a falsificação de marcas famosas ou a fabricação de bebida alcoólica dentro de casa.

Ganhadores e perdedores

O comércio ilegal não é lucrativo apenas para quem o faz; o ganho obtido também acaba fluindo para os fornecedores dos insumos necessários (fabricantes de garrafas, por exemplo).

Enquanto isso, perdem as indústrias legais: seja pela competição desleal, pela perda de participação de mercado ou pelos danos à reputação das marcas.

Os consumidores ganham ao pagarem menos por itens de status. No México, perfumes legais e ilegais chegam a ter uma diferença de preço de 46%. Uma bolsa de luxo que sai por 3 mil euros na loja é encontrada por 35 euros na rua.

"A aceitação social é outro estímulo ao comércio ilegal ao redor do mundo. Em muitos países, os consumidores não percebem a compra de produtos ilegais como uma atividade criminal", diz o relatório.

Ao mesmo tempo, quem compra produto ilegal fica mais expostos a riscos. Em junho, 25 pessoas morreram em Mumbai, na Índia, por consumirem álcool ilegal com altos níveis de metanol (e isso sem falar em medicamentos falsos).

Isso também prejudica os governos. Apesar do comércio ilegal gerar em algum nível empregos e fontes de renda, estimula a atividade criminal e funciona como uma draga de de receita.

Em 2013, 570 milhões de cigarros foram comercializados ilegalmente no mundo com receita de US$ 39 bilhões. No mercado legal, teriam gerado praticamente o mesmo valor em impostos (US$ 40 bilhões).

Cerca de um quarto do álcool vendido na América Latina é ilegal, e o Brasil responde por 63% deste mercado. Por aqui, domina o álcool artesanal (55%) ou falsificado (38%), com pouca participação de contrabando (6%), que domina na Colômbia. 

Últimas Notícias

Ver mais
Aumenta a confiança da indústria, diz pesquisa da FGV
Economia

Aumenta a confiança da indústria, diz pesquisa da FGV

Há 14 horas

IFI reduz estimativa para dívida bruta em 2024, de 78,8% para 77 7% do PIB
Economia

IFI reduz estimativa para dívida bruta em 2024, de 78,8% para 77 7% do PIB

Há um dia

Blinken diz que Argentina 'pode contar' com EUA para estabilizar sua economia
Economia

Blinken diz que Argentina 'pode contar' com EUA para estabilizar sua economia

Há um dia

Governo prorroga inscrições de programa para participação de mulheres no comércio exterior
Economia

Governo prorroga inscrições de programa para participação de mulheres no comércio exterior

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais