Acompanhe:

Com a crise, mercado já espera inflação mais alta e PIB menor

Pesquisa Focus mostrou ainda que as projeções são de que o IPCA fechará este ano com alta de 3,95 por cento, frente a 3,92 por cento na semana anterior

Modo escuro

Continua após a publicidade
Michel Temer: estimativas para o PIB são de crescimento de 0,49 por cento neste ano (Germano Lüders/EXAME.com/Site Exame)

Michel Temer: estimativas para o PIB são de crescimento de 0,49 por cento neste ano (Germano Lüders/EXAME.com/Site Exame)

R
Reuters

Publicado em 29 de maio de 2017 às, 09h14.

Última atualização em 29 de maio de 2017 às, 15h48.

São Paulo - Economistas cravaram suas projeções na pesquisa Focus de que o Banco Central vai manter o ritmo de afrouxamento monetário nesta semana e cortar a Selic em 1 ponto percentual, o que a levará a 10,25 por cento ao ano, em meio à crise política que atinge o governo Michel Temer.

Neste cenário, mostrou ainda a pesquisa nesta segunda-feira, o Top 5 --grupo que mais acerta as projeções-- passou a ver que a taxa básica de juros vai fechar este ano maior, a 8,63 por cento no cenário de médio prazo. Na semana anterior, era esperado que ela iria a 8,13 por cento.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC se reúne nos próximos dias 30 e 31, na primeira reunião depois que eclodiu a crise política que atingiu em cheio o presidente Temer, que é alvo de inquérito autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A Selic está em 11,25 por cento ao ano, após dois cortes de 0,25 ponto cada, dois de 0,75 ponto e um de 1 ponto. Com a inflação perdendo força, boa parte dos agentes econômicos apostava que o BC aceleraria o passo e cortaria os juros em 1,25 ponto.

Mas esse cenário foi varrido com os temores de que os problemas envolvendo o governo possam atrasar as reformas, sobretudo a da Previdência, considerada essencial para colocar as contas públicas em ordem.

A pesquisa Focus mostrou ainda que as projeções são de que o IPCA fechará este ano com alta de 3,95 por cento, frente a 3,92 por cento na semana anterior.

Para 2018, as contas são de alta de 4,40 por cento, sobre 4,34 por cento. Em ambos os casos, o indicador ficaria abaixo do centro da meta oficial, de 4,5 por cento, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Sobre o Produto Interno Bruto (PIB), as estimativas são de crescimento de 0,49 por cento neste ano, sobre 0,50 por cento antes, e de 2,48 por cento em 2018, também ligeiramente abaixo dos 2,50 por cento esperados até então.

Últimas Notícias

Ver mais
Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos
Economia

Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos

Há 7 horas

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad
Economia

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad

Há 8 horas

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE
Economia

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE

Há 8 horas

Inflação na zona do euro segue em baixa em fevereiro, a 2,6%
Economia

Inflação na zona do euro segue em baixa em fevereiro, a 2,6%

Há 11 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais