Economia

Chile promete lutar por acordo comercial Ásia-Pacífico

Em uma sessão especial na OMC, a presidente do país advertiu contra a crescente ameaça de "políticas comerciais protecionistas em alguns países"

Michelle Bachelet: "Estamos em um ponto de inflexão", disse a presidente (Jeanty Junior Agustin/Reuters)

Michelle Bachelet: "Estamos em um ponto de inflexão", disse a presidente (Jeanty Junior Agustin/Reuters)

A

AFP

Publicado em 29 de março de 2017 às 14h55.

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, disse nesta quarta-feira que a América Latina irá liderar os esforços para promover o acordo Ásia-Pacífico, depois que o presidente americano, Donald Trump, pôs fim ao Acordo Transpacífico de Cooperação Econômica.

Em uma sessão especial na Organização Mundial do Comércio (OMC), Bachelet advertiu contra a crescente ameaça de "políticas comerciais protecionistas em alguns países", sem mencionar diretamente os Estados Unidos e Trump.

"Estamos em um ponto de inflexão", disse na OMC em Genebra. "A integração regional é crucial (...) não é uma opção. É uma necessidade absoluta".

O Chile, junto com seus aliados latino-americanos, "oferecerá uma plataforma alternativa para promover a liberalização do comércio na região Ásia-Pacífico", disse Bachelet, prometendo "fortalecer os princípios do multilateralismo".

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaChileOMC – Organização Mundial do ComércioParceria Transpacífico

Mais de Economia

Alckmin destaca compromisso do governo com o arcabouço fiscal

Haddad diz que Brasil é uma “encrenca”, mas que tem potencial de ser “grande”

Brasil está pronto para acordo Mercosul e União Europeia, diz Lula

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Mais na Exame