Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Após o prognóstico positivo deixado pelo IPCA-15 de maio (0,51%) a projeção para a inflação oficial de 2023 voltou a cair no Boletim Focus desta semana, enquanto a de 2024, foco da política monetária, ficou estável.

A expectativa para o IPCA, índice de inflação oficial - deste ano na Focus cedeu de 5,80% para 5,71%. Um mês antes, a mediana era de 6,05%. Para 2024, a projeção mostrou manutenção em 4,13% após quatro semanas de queda. Há um mês, era de 4,18%.

Considerando somente as 69 estimativas atualizadas nos últimos cinco dias úteis, a mediana para 2023 tombou de 5,75% para 5 50%. Para 2024, por sua vez, a projeção subiu de 4,14% para 4 16%, considerando 68 atualizações no período.

Apesar da nova queda, a mediana na Focus para a inflação oficial em 2023 ainda está cerca de 1 ponto porcentual acima do teto da meta (4,75%), apontando para três anos de descumprimento do mandato principal do Banco Central, após 2021 e 2022. Para 2024, a mediana supera o centro da meta (3,00%), mas está dentro do intervalo de tolerância superior, que vai até 4,50%.

A mediana para o IPCA de 2025 seguiu em 4,00%, repetindo a taxa de quatro semanas atrás. A estimativa para o IPCA de 2026 também continuou em 4,00%, mesmo porcentual de um mês antes. A meta para 2025 é de 3,00% (margem de 1,50% a 4,50%). Ainda não há objetivo definido para 2026.

Na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) deste mês, o BC manteve suas projeções para a inflação no cenário de referência com estimativas de 5,8% em 2023 e 3,6% para 2024. Em um cenário alternativo, em que a Selic fica estável por todo o horizonte relevante, as projeções da autoridade são de 5,7% para 2023 e 2,9% para 2024.

Meses

Os economistas do mercado financeiro baixaram a projeção para a alta do IPCA de maio no Boletim Focus. A mediana para o mês passou de 0,43% para 0,39%, de 0,44% há um mês.

Para o IPCA de junho, a estimativa cedeu de 0,34% para 0,31%, contra a mediana de 0,53% um mês antes. Para julho, a previsão para o indicador variou de 0,36% para 0,35%, de 0,38% há quatro semanas.

Já a expectativa para a inflação suavizada para os próximos 12 meses cedeu de 4,77% para 4,69%, de 5,23% há um mês.

Câmbio para 2023 passa de R$ 5,15 para R$ 5,11; para 2024 vai de R$ 5,20 a R$ 5,17

O cenário esperado para o câmbio brasileiro em 2023 e 2024 mostrou valorização de uma semana para a outra no Relatório de Mercado Focus divulgado nesta segunda-feira, 29. A estimativa para o câmbio este ano passou de R$ 5,15 para R$ 5,11, de R$ 5 20 há um mês. Para 2024, a mediana também foi alterada, de R$ 5 20 para R$ 5,17, contra R$ 5,25 quatro semanas antes. A projeção anual de câmbio publicada no Focus é calculada com base na média para a taxa no mês de dezembro, e não mais no valor projetado para o último dia útil de cada ano, como era até 2020. Com isso, o Banco Central espera trazer maior precisão para as projeções cambiais do mercado financeiro.

Projeção: PIB de 2023 cresce de 1,20% para 1,26%

O Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 29, mostrou nova melhora no cenário de crescimento econômico para este ano. A mediana para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) em 2023 subiu de 1,20% para 1,26%, contra 1,00% há um mês. Considerando apenas as 30 respostas nos últimos cinco dias úteis, a estimativa para o PIB no fim de 2023 saltou de 1,24% para 1,57%.

Já para 2024, o Relatório Focus mostrou manutenção da estimativa de crescimento do PIB de 1,30%, contra 1,41% de um mês atrás. Considerando apenas as 25 respostas nos últimos cinco dias úteis a estimativa para o PIB de 2024 subiu de 1,24% para 1,30%.

Em relação a 2025, a mediana se manteve em 1,70% ante 1,80% quatro semanas antes. O boletim ainda trouxe a estimativa para 2026, que continuou em 1,80%, repetindo o porcentual esperado há um mês.

Na semana passada, o Ministério da Fazenda aumentou sua projeção oficial para o PIB deste ano, de 1,61% para 1,91%. No Banco Central, a estimativa atual é de 1,2%, conforme o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de março.

Relação dívida/PIB

Após a aprovação do novo arcabouço fiscal na Câmara, a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o Produto Interno Bruto em 2024 caiu levemente, de 64,70% para 64,50%. Há quatro semanas, a expectativa era mais baixa, de 64,00% do PIB.

Já o déficit primário esperado para o ano que vem continuou em 0 70% do PIB, distante da meta prevista pelo governo de resultado neutro (0% do PIB). O déficit nominal projetado na Focus também permaneceu em 7,00% do PIB. Há um mês, os porcentuais eram de 0 80% e 7,00% do PIB, nessa ordem.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

O arcabouço fiscal foi aprovado na Câmara com uma margem muito ampla, de 372 votos a favor. Eram necessários 257. Além disso, houve endurecimento em alguns pontos frente ao projeto original, como a inclusão de punições caso a meta fiscal não seja cumprida e o retorno da obrigatoriedade do contingenciamento se houver sinalizações de que a meta está em risco.

Por outro lado, o governo conseguiu incluir uma espécie de "exceção" para 2024, uma vez que, em maio do ano que vem, há chance de aumentar a margem para despesas ante a regra geral que determina que crescimento deve ser de até 70% do aumento, em termos reais, das receitas em 12 meses até junho do ano anterior.

Para 2023, a projeção para dívida líquida continuou em 61,00% do PIB no Boletim Focus desta semana, de 60,55% há um mês. Já a projeção para o déficit primário piorou de 1,00% para 1,10% do PIB, após o governo alterar a expectativa deficitária para este ano de R$ 107,6 bilhões para R$ 136,2 bilhões, ou 1,3% do PIB.

Quatro semanas antes, a expectativa era de 1,00% no Boletim Focus. Para o déficit nominal este ano, a mediana também mudou, de 7,80% para 7,85% do PIB, contra 7,80% há um mês.

Déficit em c/c

Os economistas do mercado financeiro mantiveram a estimativa de déficit em conta corrente do balanço de pagamentos para 2023 no Boletim Focus desta semana. A projeção deficitária continuou em US$ 47,06 bilhões ante US$ 48,00 bilhões de um mês atrás. Para o próximo ano, a estimativa de déficit passou de US$ 53,05 bilhões para US$ 52,40 bilhões, de US$ 52,75 bilhões há quatro semanas.

Para o superávit da balança comercial em 2023, a projeção continuou em US$ 60,00 bilhões, mesmo valor esperado há um mês. Para 2024, a mediana superavitária variou de US$ 54,60 bilhões para US$ 55,00 bilhões, de US$ 54,60 bilhões há quatro semanas.

Os analistas consultados semanalmente pelo BC avaliam que o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será mais do que suficiente para cobrir o rombo em transações correntes neste e no próximo ano. A mediana das previsões para o IDP em 2023 permaneceu em US$ 80,00 bilhões pela 22ª semana consecutiva. Para 2024, a estimativa foi mantida em US$ 80,00 bilhões pela 17ª vez.

Projeção para Selic 2023 segue em 12,50%, fica em 10,00% 

A expectativa para a taxa básica de juros no fim de deste ano continuou estável no Boletim Focus. No início do mês, o Copom decidiu manter a Selic em 13,75% ao ano pela sexta reunião seguida. A mediana para os juros básicos no fim de 2023 seguiu em 12,50% ao ano pela sexta semana consecutiva. Para o término de 2024, a expectativa também continuou em 10,00% pela 15ª vez. Há quatro semanas, as estimativas eram de 12,50% e 10,00%, nessa ordem.

Considerando apenas as 43 respostas dos últimos cinco dias úteis a mediana para o fim de 2023 também permaneceu em 12,50%. Para o fim de 2024, seguiu em 10,00%, com 41 atualizações na última semana.

Na terceira reunião do Copom no novo governo Lula, o colegiado afirmou que a apresentação do arcabouço fiscal reduziu parte da incerteza, mas que a conjuntura é marcada por um processo de desinflação que tende a ser lento em meio às expectativas de inflação desancoradas. Segundo o colegiado, esse contexto demanda maior atenção na condução da política monetária.

O Banco Central (BC) ainda repetiu que vai continuar vigilante, avaliando se a estratégia de manutenção da taxa Selic por período prolongado será capaz de assegurar a convergência da inflação à meta. Mas acrescentou que o cenário de retomada da alta de juros é menos provável, embora garanta que não hesitará em tomar esse caminho caso o processo de desinflação não ocorra como o esperado.

Na semana passada, em entrevista à Globonews, o presidente do BC Roberto Campos Neto, reconheceu que o cenário está melhor, considerando números mais favoráveis da inflação corrente e sinais positivos à frente. Também destacou a queda na curva de juros longos com a aprovação do arcabouço fiscal na Câmara, mas ponderou que é preciso ver o efeito nas expectativas.

Na Focus, a projeção para a Selic no fim de 2025 continuou em 9 00%, mesma mediana de quatro semanas atrás. O boletim ainda trouxe a projeção para a Selic no fim de 2026, que subiu de 8 75% para 9,00%, de 8,88% há um mês.

Créditos

Últimas Notícias

ver mais
Com cerca de 40 convidados, Haddad lançará plano de ação para taxonomia sustentável do Brasil
Economia

Com cerca de 40 convidados, Haddad lançará plano de ação para taxonomia sustentável do Brasil

Há 3 horas
Arrecadação de agosto tem queda real de 4,14% e no ano retração chega a 0,83%
Economia

Arrecadação de agosto tem queda real de 4,14% e no ano retração chega a 0,83%

Há 3 horas
Alckmin sanciona lei que retoma voto de qualidade do Carf com vetos
Economia

Alckmin sanciona lei que retoma voto de qualidade do Carf com vetos

Há 3 horas
Exportações de automóveis da China para o sudeste asiático crescem 83% em 2022
Economia

Exportações de automóveis da China para o sudeste asiático crescem 83% em 2022

Há 4 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais