Economia

BCE cortará juros 'daqui a pouco tempo', se não ocorrer algum choque inesperado, diz Lagarde

Presidente do BCE comentou que o processo desinflacionário segue em curso, embora a banqueira central esteja "atenta" aos riscos associados à escalada do petróleo

BCE: segundo presidente, Banco Central Europeu deve cortar juros "daqui a pouco tempo" (Ralph Orlowski/Reuters)

BCE: segundo presidente, Banco Central Europeu deve cortar juros "daqui a pouco tempo" (Ralph Orlowski/Reuters)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 16 de abril de 2024 às 12h58.

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, afirmou nesta terça-feira, 16, que a autoridade monetária cortará juros "daqui a pouco tempo", a não ser que ocorra algum choque negativo inesperado. Em entrevista à CNBC, Lagarde reforçou que as próximas decisões dependerão da evolução dos indicadores macroeconômicos.

Lagarde comentou que o processo desinflacionário segue em curso, embora a banqueira central esteja "atenta" aos riscos associados à escalada do petróleo. De acordo com ela, o quadro deve permitir o alívio das condições restritivas da política monetária em breve.

Lagarde não se comprometeu com uma data específica, mas outros dirigentes do BCE tem citado junho como o mês mais provável para a primeira redução da taxa básica.

A presidente do Banco Central Europeu afirmou ainda que as decisões da autoridade monetária dependerão primariamente da evolução dos indicadores econômicos, não de fatores externos como os planos do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) ou a taxa de câmbio.

"Estamos unicamente focados na meta de 2% para a inflação", afirmou, em entrevista à CNBC, acrescentando que o caminho em direção à estabilidade de preços na zona do euro será "acidentado".

Questionada sobre a fraqueza da economia europeia comparada com a dos Estados Unidos, Lagarde explicou que os consumidores no Velho Continente têm demonstrado maior cautela do que os americanos. Segundo ela, os juros do BCE já estão "suficientemente restritivos".

Acompanhe tudo sobre:BCEJurosZona do Euro

Mais de Economia

Petrobras: Magda Chambriard afirma que vai continuar a 'abrasileirar' preços

Cigarro vai ficar mais caro? Governo avalia elevar preço mínimo para compensar desoneração

Às vésperas de votação do Mover, inclusão ou não de taxação de compras de até US$ 50 está indefinida

Brasil tem potencial para receber US$ 3 trilhões em investimentos verdes, diz estudo do BCG

Mais na Exame