Economia

Balança comercial: MDIC reduz projeção de superávit comercial deste ano US$ 94,4 bi para US$ 73,5 bi

Previsão para exportações reduziu e a de importações cresceu, segundo Secretaria de Comércio Exterior

Publicado em 4 de abril de 2024 às 16h58.

A Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) revisou a previsão de superávit comercial de 2024 para baixo. Em dados precisos, uma diferença de US$ 20,9 bilhões.

Agora, a expectativa é de que, no ano, o saldo positivo das contas feche em US$ 73,5 bilhões, ante US$ 94,4 bilhões da previsão inicial. No ano passado, a balança teve superávit recorde, de US$ 98,9 bilhões. Na comparação com 2023, portanto, a nova projeção representa uma queda de 25,7% caso confirmada.

Exportações revisadas

Nas contas da pasta liderada pelo vice-presidente Geraldo Alckmin, as exportações devem somar US$ 332,6 bilhões neste ano — queda de 2,1% em relação ao ano passado. Inicialmente, previa-se um total de US$ 348,2 bilhões de exportações - número maior que o do ano passado, quando as vendas somaram US$ 339,7 bilhões.

Nas importações, a projeção atual é de que o dado cresça nesse ano: o MDIC estima que as compras somem US$ 259,1 bilhões em 2024, alta de 7,6% na comparação com 2023.

Inicialmente, o MDIC projetava US$ 253,8 bilhões em importações. No ano passado, esse número fechou em US$ 240,8 bilhões.

Corrente de comércio revisada

Com isso, a corrente de comércio do Brasil, soma entre exportações e importações, também foi revisada: de US$ 602 bilhões para US$ 591,7 bilhões, contra US$ 580,5 bilhões registrados em 2023.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem sido vocal em defender que o país pode — e precisa — chegar a uma corrente de comércio de US$ 1 trilhão.

Com Estadão Conteúdo.

Acompanhe tudo sobre:Comércio exteriorBalança comercial

Mais de Economia

Em 4 anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia, prevê Tebet

Anatel poderá retirar do ar sites de e-commerce por venda de celulares irregulares

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Mais na Exame