Acompanhe:

Ata do Copom veio "mais amigável", diz Haddad sobre BC

Em meio ao fogo cruzado entre Banco Central e Planalto, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que ata do Copom divulgada hoje traz análise mais extensa sobre situação dos juros

Modo escuro

Continua após a publicidade
Haddad: ministro da Fazenda comentou sobre ata do BC divulgada nesta terça-feira, 7 (José Cruz/Agência Brasil)

Haddad: ministro da Fazenda comentou sobre ata do BC divulgada nesta terça-feira, 7 (José Cruz/Agência Brasil)

C
Carolina Riveira

Publicado em 7 de fevereiro de 2023 às, 11h18.

Última atualização em 7 de fevereiro de 2023 às, 11h48.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta terça-feira, 7, que a ata do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), divulgada nesta manhã, veio mais "amigável" em relação aos próximos passos na política monetária.

"Hoje teve a ata do Copom, a ata veio melhor do que o comunicado, uma ata mais extensa, mais analítica, colocando pontos importantes sobre o trabalho do Ministério da Fazenda. É uma ata, vamos dizer, mais amigável em relação aos próximos passos que precisam ser tomados."

O governo vem criticando a manifestação do Banco Central quando do anúncio da manutenção da taxa de juros, a Selic, em 13,75%. A manutenção foi definida na última quarta-feira, 1º de fevereiro, em reunião do Copom, e o BC apontou na ocasião para os riscos ficais vindos de uma política de gastos expansionista do governo.

Nesta semana, Lula chegou a afirmar que manter a Selic neste patamar, o mais alto desde 2016, era uma "vergonha".

O BC é independente desde 2021, de modo que o presidente Roberto Campos Neto se mantém no cargo até 2024, apesar da troca de governo. Até lá, o Planalto, porém, já estuda eventual indicação de novos conselheiros quando o mandato de alguns dos atuais nomes se encerrar, o que ocorre neste mês.

Haddad defende "harmonização" de política fiscal e monetária

Ao comentar brevemente a ata do Copom a jornalistas durante agenda nesta terça-feira, Haddad voltou a dizer que defende uma maior sintonia entre política fiscal (a cargo do governo, que inclui os gastos públicos) e monetária (que inclui sobretudo a definição da taxa de juros, capitaneada pelo Banco Central).

"A coordenação tem duas mãos", disse Haddad. "O que eu sempre defendo, desde a minha primeira entrevista, é a harmonização da política monetária e política fiscal. Tem que trabalhar juntos."

Haddad apresentou no último mês um primeiro plano fiscal para reduzir o déficit do governo a 1% neste ano, sobretudo pela via da receita. O ministro disse que as medidas anunciadas estão "em curso". Há críticas ao plano, na outra ponta, por poucas sinalizações de corte de despesas.

Haddad disse, na fala desta manhã, que a ata do Copom traz maior reconhecimento desse tipo de esforço da Fazenda e a busca por "robustez fiscal". "Nós precisamos ter uma base fiscal robusta, que permita ao Estado, com tamanho moderado, atender os direitos constitucionais previstos para todos os cidadãos", disse o ministro.

Mudança nas metas de inflação?

Haddad teve uma reunião com a ministra do Planejamento, Simone Tebet, e disse que a discussão sobre as metas de inflação está em análise, embora o governo não tenha batido o martelo sobre eventual tentativa de aumento da meta.

"Hoje tive uma primeira conversa com a ministra do Planejamento, e isso vai ser discutido pelo governo, para a gente adotar os próximos passos", disse.

A meta de inflação para 2023 é de 3,25% (com tolerância de 1,5 ponto percentual, isto é, com teto de 4,75%) e de 3% para 2024. Para 2023, as projeções apontam que a inflação deve ficar acima do teto da meta: o boletim Focus desta semana traz projeção de inflação nos mercados em 5,78% para o ano.

A meta é definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e a discussão costuma ser feita na metade do ano. O Brasil descumpriu a meta de inflação em 2021 e 2022. Descumprimentos sucessivos da meta podem fazer com que as expectativas fiquem desancoradas, fazendo com que juros altos sejam necessários.

Novo arcabouço sai em abril

Haddad disse também que o novo arcabouço fiscal, que substituirá o teto de gastos atual, deve sair em abril, para garantir compatibilidade com a Lei de Diretrizes Orçamentárias. A proposta, a ser apresentada pela Fazenda, terá ainda de ser aprovada no Congresso.

Em outras frentes fiscais e de crescimento, o ministro disse que em fevereiro o Ministério vai submeter a Lula uma reforma para "melhorar o ambiente de crédito".

Afirmou também que terá ainda nesta terça-feira uma reunião com governadores para discutir a desoneração de impostos (incluindo o ICMS estadual) que foi aplicada em 2022 sobre os combustíveis. Haddad chamou a medida de "lambança feita no ano passado", durante o governo Jair Bolsonaro.

Últimas Notícias

Ver mais
Indústria deve estar atenta para que Reforma Tributária não seja desvirtuada, diz Haddad
Economia

Indústria deve estar atenta para que Reforma Tributária não seja desvirtuada, diz Haddad

Há um dia

'Só de teimosia, Padilha vai ficar muito tempo nesse ministério', diz Lula após tensão com Lira
Brasil

'Só de teimosia, Padilha vai ficar muito tempo nesse ministério', diz Lula após tensão com Lira

Há um dia

Nada desviará esforço do governo das metas de responsabilidade fiscal, afirma Padilha
Economia

Nada desviará esforço do governo das metas de responsabilidade fiscal, afirma Padilha

Há 2 dias

Assunto da sucessão do BC não passa pela diretoria colegiada, afirma Paulo Picchetti
Economia

Assunto da sucessão do BC não passa pela diretoria colegiada, afirma Paulo Picchetti

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais