Acompanhe:

Arrecadação federal deixa de registrar perdas provocadas por desonerações

Brasília - O crescimento das vendas e da lucratividade que garantiu recorde na arrecadação federal em fevereiro teve outro efeito positivo no caixa do governo. A Receita Federal deixou de registrar perdas com as desonerações decididas no ano passado e ainda em vigor. Segundo relatório divulgado na última quinta-feira (18) pela Receita, a arrecadação do […]

Modo escuro

Continua após a publicidade
EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

W
Wellton Máximo

Publicado em 10 de outubro de 2010 às, 03h42.

Brasília - O crescimento das vendas e da lucratividade que garantiu recorde na arrecadação federal em fevereiro teve outro efeito positivo no caixa do governo. A Receita Federal deixou de registrar perdas com as desonerações decididas no ano passado e ainda em vigor.

Segundo relatório divulgado na última quinta-feira (18) pela Receita, a arrecadação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) nos dois primeiros meses do ano já está maior que a do no mesmo período do ano passado. Mesmo em termos reais, descontando a inflação oficial pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), as receitas do IPI estão reagindo.

A arrecadação do IPI cobrado sobre os demais produtos também teve aumento real, apesar da redução de impostos sobre vários itens, como materiais de construção e móveis. De acordo com o Fisco, a receita do IPI de outros produtos (exceto automóveis, bebidas e fumo e os vinculados à importação) somou R$ 2,35 bilhões em janeiro e fevereiro, 7% a mais do que o registrado no mesmo período do ano passado.

Ao longo de 2009, o governo reduziu o IPI de vários produtos para estimular as vendas e a produção afetadas pela crise econômica. As alíquotas para os produtos da linha branca – fogões, geladeiras, tanquinhos e máquinas de lavar – voltaram ao normal em fevereiro, mas as desonerações sobre automóveis e para o setor moveleiro continuam em vigor até o fim do mês. Para caminhões e materiais de construção, o imposto só subirá em julho.

Embora a arrecadação tenha deixado de registrar perdas reais com as desonerações, o crescimento seria ainda maior caso as reduções de impostos não estivessem em vigor. Sem os incentivos fiscais, o governo arrecadaria R$ 2,2 bilhões a mais em 2010, segundo estimativas da própria Receita apresentadas no final do ano passado.

A desoneração para automóveis e caminhões terá impacto fiscal de R$ 1,3 bilhão. Em relação aos materiais de construção, R$ 686 milhões não entrarão no caixa do governo. As reduções de IPI para móveis e painéis de madeira provocarão perdas de R$ 162 milhões até o fim deste mês. Por causa dos incentivos fiscais para a linha branca, a Receita deixou de arrecadar R$ 44 milhões em janeiro.

Leia mais sobre impostos

 

 

 

 

Últimas Notícias

Ver mais
Últimos dias para leilão da Receita Federal com Chevrolet Onix por R$ 40 mil; veja como participar
seloMinhas Finanças

Últimos dias para leilão da Receita Federal com Chevrolet Onix por R$ 40 mil; veja como participar

Há um dia

Lista de prioridades da Fazenda para o ano depende de cooperação do Congresso
Um conteúdo Esfera

Lista de prioridades da Fazenda para o ano depende de cooperação do Congresso

Há um dia

Dívida Pública Federal cai 1,08% e fecha janeiro em R$ 6,449 trilhões
Economia

Dívida Pública Federal cai 1,08% e fecha janeiro em R$ 6,449 trilhões

Há 2 dias

Receita paga restituição do imposto de renda nesta semana; veja quem recebe
seloMinhas Finanças

Receita paga restituição do imposto de renda nesta semana; veja quem recebe

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais